o riachense

Quarta,
08 de Fevereiro de 2023
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Mária Pombo

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Com medida e preço


Despediram-se com um beijo. Especial e único como todos os outros.
Aquela seria mais uma longa viagem… O tempo que pudesse durar seria sempre uma incógnita.
A menina, tranquila como sempre, ficou a vê-lo desaparecer em passos firmes no horizonte.
Conduziu-se depois instintivamente até ao cais, o refúgio secreto. Esse era uma parte dela que ninguém conhecia.
Era um cais provinciano, sem grandes artefactos e sem luxos, só com meia dúzia de barcos de madeira, gastos pelo tempo e pelo uso. Tinha o essencial: um bocado de terra onde se pudesse sentar e, mais do que isso, uma paz única, entre a desordem da vegetação e a pureza de um lugar muito pouco utilizado para usufruto humano, que mais lugar nenhum no mundo tinha a capacidade de lhe proporcionar. Ou não fosse ele ribatejano…
Não havia companhia melhor que aquela, nem construção mais acolhedora.
Sentou-se junto da água, apertando os joelhos contra o peito. Quereria afastar o vazio? Talvez…
Seria aquele o primeiro dia de liberdade? O primeiro dia de tormento? Ou o primeiro dia de mais uma separação que ocupa o tempo de uma eternidade e o espaço de um vendaval porque vivida e sentida como tal?
Fechou os olhos, tentou segurar as lágrimas. Impossível.
Olhou o rio, conversou com as ondas miúdas, sentiu-se observada pela lua e aconchegada pelo céu limpo e estrelado. Os grilos e alguns peixinhos também quiseram dar as boas-vindas.
E assim ficou, entre lágrimas mitigadas e sorrisos tímidos, tendo perdido a noção do tempo.
Naquela noite não tinha planos nem obrigações. Pertencia-se a si própria por um prazo indeterminado.
E gostava. Ser-se sua e oferecer a sua companhia a si mesma era uma sensação fantástica, que teria descoberto não havia muito tempo.
Deixou-se ficar.
Nesse momento percebeu que afinal o amor tem uma medida e que a felicidade tem um preço.


 
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária