o riachense

Tera,
07 de Fevereiro de 2023
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

No reino dos Pinóquios

 


O delegado dos credores Internacionais, nascido criado e formado no PSD, na sua conta de Twitter antes de ser primeiro-ministro escreveu: "Como é possível manter um governo em que um primeiro-ministro mente?" Uma directa ao actual Presidente da República que teve como alvo principal o actual emigrante Sócrates. O rapazola devia ter vergonha.
Pessoalmente, considero mentirosos todos quantos mentem compulsivamente, o que é o caso. O homem que nunca trabalhou, que não sabe o que é a vida, que não sabe o que é não ter dinheiro para comer nem o que são dificuldades, desde que assumiu o governo ainda não parou de mentir e de roubar. Hoje, meses depois de ser eleito, considera que o modelo social em Portugal não é sustentável.
Sustentável para Passos Coelho é pedir 78 mil milhões e pagar trinta e cinco mil milhões de euros de juros pelos empréstimos dos "amigos" da troika.
Enquanto candidato, prometeu que: "Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português." O ladrão do rapaz iniciou a sua cruzada com esta afirmação. Para cativar o eleitorado, faltou mais uma vez à verdade quando garantiu que: "A ideia que se foi gerando de que o PSD vai aumentar o IVA não tem fundamento." Não contente com tanta trapalhada própria de um quadro político formado no PSD, depois de ouvir o primeiro-ministro Sócrates dizer que: "o PSD quer acabar com o 13.º mês, mas nós nunca falámos disso e é um disparate", então não é  que o magano tem a ousadia consentida de meter mais uma peta? A ideia era a de correr com o primeiro-ministro de então. Como justificação, escreveu: "O PSD chumbou o PEC 4 porque tem de se dizer basta: a austeridade não pode incidir sempre no aumento de impostos e no corte de rendimento." Pois é. Desde que tomou posse já deliberou quatro aumentos de impostos cortando como nunca o rendimento disponível das famílias. Esqueceu-se que, com estas medidas não cumpre o prometido enquanto pretendente ao trono. Passo a lembrar: "Não se põe um país a  
pão e água por precaução."
"A pior coisa é ter um Governo fraco. Um Governo mais forte imporá menos sacrifícios aos contribuintes e aos cidadãos." Adivinhem quem disse? Exactamente, foi mesmo o Passos Coelho. Apesar de mais uma mentira, continuo a não partilhar da ideia de que era bom que os governantes narigudos tivessem febre aftosa, língua azul, peste suína ou gripe das aves para ser obrigatório eliminar o rebanho todo. O carreiro também não é por aí.
Durante o debate do orçamento de estado para 2012, mais umas quantas mentiras. Por imposição do ministro das finanças que não se livra de ser um seguidor no que toca a faltar à verdade, Passos Coelho, garantiu que não existe folga no orçamento para pagar um dos subsídios: 13º mês ou férias. A proposta surgiu de um homem que se diz seguro e líder da oposição (só se for em sua casa porque ninguém lhe  
conferiu esse estatuto). Mais uma das dele. O orçamento de estado tem margem financeira para garantir os dois subsídios ao funcionários públicos e pensionistas, um direito que não se pode pôr em causa. Cortem nas gorduras e não nos portugueses que têm a sorte de ter trabalho ganhando cerca de metade dos trabalhadores da zona Euro. Cortem nos gestores que recebem em média mais 40% que os restantes da zona Euro.
"Já estamos fartos de um Governo que nunca sabe o que diz e nunca sabe o que assina em nome de Portugal." Esta afirmação, foi proferida também por Pedro Passos Coelho antes de chegar ao poder e tinha como objectivo denegrir a imagem do Pinóquio que acabou de sair. Quer um quer outro, não terão a sorte do verdadeiro Pinóquio. Ambos nasceram meninos de verdade. Com o tempo, tornaram-se autênticos bonecos de madeira para não lhes crescer o nariz. São insensíveis, desumanos e mentirosos.
Por último, não pensem que me esqueci do outro Pinóquio, o paulinho das feiras do CDS. O único membro do governo com visão e inteligência q.b. Desde que tomou posse, nunca mais se lembrou dos ex. combatentes, da classe média baixa, da classe média, da classe média média e média alta. Mesmo assim, honra seja feita, foi o único que à sete anos atrás já previa que chegaria novamente ao governo em 2011 e que o país se ia afundar. Não foi por acaso que encomendou de imediato dois submarinos no valor de mil milhões, sem contrapartidas. Se por acaso as houve era bom que a justiça apurasse para onde foram.

Actualizado em ( Quarta, 11 Janeiro 2012 12:03 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária