o riachense

Quarta,
08 de Fevereiro de 2023
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Joaquim Alberto

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

A festa da Bênção do Gado

 Creio que o nosso jornal é um excelente meio para discutirmos a melhor maneira de vivermos neste mundo, em especial na nossa terra. Creio também que uma das melhores realizações colectivas dos Riachenses é a Festa da Bênção do Gado. Creio também que a discussão com a cabeça fria ajuda mais ao progresso das ideias do que a discussão com a cabeça quente, como me pareceu que foi o caso quando a Célia Barroca e o Carlos Tomé iniciaram o debate no mês de Setembro passado. Por isso creio que será bom para a próxima Festa começarmos a reflectir publicamente a partir de agora. Já passou o tempo suficiente para que as pessoas sejam capazes de discutir com serenidade e ainda temos 3 anos antes que as cabeças comecem de novo a aquecer e por isso seja mais difícil a reflexão e discussão. Agora é fácil e possível. Pela minha parte vou tentar pôr no papel aquilo que todos estes anos me foram ensinando. Vamos a ver se o consigo fazer.

 

Quando eu era pequeno, ainda uma grande maioria das pessoas da nossa terra ia à Missa todos os domingos. E aqueles que lá não iam todos os domingos, iam algumas vezes por ano. Os que nunca iam à igreja eram poucos. Mas quantos iam à Missa por convicção e militância? Nunca o saberemos. Agora, a percentagem dos que frequentam a igreja é muito menor, mas a percentagem dos que vão por convicção é muito maior. Creio eu. De qualquer modo, gostaria muito que assim fosse.

Desde o princípio, a humanidade tem estado sempre a evoluir, mas só agora é que é possível cada um ser o que quer ser. Pode ser crente ou agnóstico. Pode ser religioso ou ateu. Pode ser militante ou indiferente. Em minha opinião, isto é o resultado de um grande progresso. Cada um é “obrigado” a ser o que quiser. O que faz com que cada pessoa tenha cada vez mais responsabilidades. Individuais e colectivas. Mas esta possibilidade ainda não existe em todo o mundo. Felizmente já existe na nossa terra. Felizmente. Assim nós saibamos conservá-la e desenvolvê-la. Sem aceitarmos os outros como eles são, não é possível nem liberdade nem democracia. Felizmente, Riachos está numa região do mundo onde tudo isto já é possível. Mas não era assim ainda há somente 50 anos. Sem o 25 de Abril isto não seria possível.

A história que vou contar, contou-ma o meu avô. Foi há menos de 100 anos. Nos tempos da primeira república. Saiu uma lei a proibir o toque dos sinos da igreja antes do sol-fora e depois do sol-posto. Naquele tempo poucos tinham relógio. Era o sino que avisava as pessoas. Em Riachos havia uma Missa aos domingos de madrugada, as pessoas rezavam as Ave-Marias, havia à noite oração do terço, e tudo isto era avisado pelo sino. O que passou a ser interdito. Então um grupo de jovens daquele tempo, armados de foices roçadoiras, de forquilhas e de paus, foram buscar o sacristão quando já era noite e obrigaram-no a tocar o sino até as autoridades chegarem. Quando o regedor chegou não teve outro remédio do que aceitar a realidade. E o sacristão passou a tocar o sino sempre que fosse necessário. Sem interdições.

Outra história que toda a gente conhece foi com a Filarmónica. Por motivos políticos e religiosos passou a haver duas. A velha e a nova. Os Caraças e os Malhados. Algumas famílias completamente divididas. Também foi no tempo da primeira república que o nicho que então existia foi destruído.

“Se não vives como pensas, acabas por pensar como vives”, diz um velho e verdadeiro ditado. As pessoas vivem em comunidade, por isso todos dependemos muito da pressão que é exercida pelos diversos colectivos. Embora agora a liberdade individual seja muito maior do que era antes, cada pessoa ainda depende muito dos diversos grupos onde está inserido. Ninguém é totalmente livre individualmente. Mas nunca a liberdade individual foi tão grande como agora. Todo este palavreado, para tentar situar as minhas reflexões sobre a NOSSA FESTA.

A Festa da Bênção do Gado é a principal manifestação de cultura popular que existe em Riachos, não é uma festa profana ou religiosa, é uma festa ao mesmo tempo profana e religiosa, isto é, tem sempre as duas componentes. Pode ter algumas actividades que não são religiosas, mas dificilmente terá actividades só religiosas. Mesmo o Cortejo nunca pode ser uma actividade só religiosa. Mas quando há actividades que são ao mesmo tempo religiosas e profanas e quando não há antagonismo mas sim complementaridade, quando tudo isto se faz sem guerra, creio que uma sociedade que já atingiu esta fase, é qualquer coisa de maravilhoso. Creio que todos devemos fazer tudo para que esta harmonia se desenvolva cada vez mais, creio que devemos fazer tudo para que a guerra, principalmente por motivos religiosos, nunca mais tenha lugar na nossa terra. E creio que seria mau tentar separar o religioso e o profano. A Festa não seria a mesma, seria outra coisa qualquer.

Segundo Jesus Cristo, a Igreja é como o sal na comida ou como o fermento na massa. Quando é de menos, não faz efeito praticamente nenhum. Quando é demais dá inquisição, dá islamismo… O sal deve estar na comida para lhe dar bom sabor, não para a tornar salgada. Assim deve ser a presença da Igreja na sociedade e na Festa. A Festa não é só religiosa nem é só profana. É as duas coisas ao mesmo tempo. Será óptimo se nenhuma das partes for mais importante do que a outra. Isto só se consegue se todos puderem participar, sejam quais forem as suas ideias.

Não conheço, na nossa região, outra festa com tanta participação popular. E, apesar de tanta gente e tantos grupos participarem na preparação e no desenrolar da Festa, os consensos têm sido sempre possíveis. O que prova que podem continuar a ser possíveis. Gostaria que todas as pessoas que têm ideias sobre a Festa aproveitassem este tempo para as apresentarem, para as debaterem, para as defenderem. Mas sempre com um só objectivo: chegar a consensos de tal modo que mais pessoas participem e assim a Festa seja sempre cada vez melhor.

Quero dar aqui um grande abraço à Célia Barroca e ao Carlos Tomé que antes de mim deram início ao debate. Espero que continuem a discutir as suas ideias com a maior objectividade possível e assim ajudem mais leitores a participarem e a dizerem o que pensam. Para que os consensos se atinjam cada vez com maior facilidade e a Festa seja cada vez melhor, porque ela é de todos.

 

 

Actualizado em ( Quarta, 20 Fevereiro 2013 23:11 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária