o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Carlos Paula Simões

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
A maneira de garantir um bom futuro é educá-lo bem
A maneira de garantir um bom futuro é educá-lo bem
Parafraseando Ghandi, afirmo e defendo que a grandeza de uma nação e o seu progresso podem ser avaliados pela forma como as suas crianças são tratadas.
Dois pontos de partida para esta minha reflexão:
- A legislação sobre educação especial, em que são excluídas das escolas de referência ou das unidades de ensino e de apoio nelas previstas as respostas específicas para as perturbações do desenvolvimento, a deficiência mental e as perturbações da personalidade e do comportamento, esquecendo que a educação inclusiva é uma componente da educação para todos e deve ter lugar numa escola pública, de qualidade, democrática, e só assim inclusiva. Esta lei utiliza um conjunto de critérios de identificação para sinalizar crianças com necessidades educativas especiais, pouco consensual, com os resultados que são por demais conhecidos: menos crianças apoiadas, crianças que ficam em casa porque deixaram de ter apoio na escola, crianças com elevado grau de deficiência que antes tinham apoios e que deixaram de os ter.
- Os relatórios sobre protecção e inclusão social, onde descobrimos, por exemplo, que mais de meio milhão de crianças estão em risco de pobreza e nos fazem concluir que a situação portuguesa nesta matéria piorou em termos absolutos. Motivo de vergonha nacional, muitas crianças apenas se alimentam com o que lhes é servido nas instituições de solidariedade social ou nas escolas...
As crianças não votam, não podem falar por si próprias. E as mais expostas são precisamente as mais pobres e as com necessidades especiais. É minha convicção que nenhuma criança deve ser deixada para trás. A missão do Estado devia ser a de assegurar a toda e qualquer criança, um início de vida saudável, justo, seguro e com valores.
Um início de vida saudável que obrigaria Portugal a ser um local onde as crianças nascessem de forma saudável, com acesso a cuidados de saúde que as mantivessem assim e com assistência médica acessível sempre que se encontrassem doentes; Justo porque o Estado garantiria que as crianças mais desfavorecidas teriam as mesmas oportunidades de aceder à mesma protecção e educação que as crianças dos estratos sociais com mais rendimentos; Seguro, porque toda e qualquer criança estaria devidamente protegida da violência familiar e urbana que se faz já sentir até nas vilas do interior e que já chega aos recreios das nossas escolas; Com valores sólidos e estruturantes como a solidariedade, a verdade, a tolerância e a responsabilidade, que seriam parte integrante de um projecto de educação, alargado à família e à comunidade.
Sem estes valores estruturantes, contribuiremos tão-somente para o desenvolvimento de adultos intolerantes, violentos, egoístas, incapazes de transmitirem aos filhos esses valores universais, num efeito de bola-de-neve que conduz ao défice dos valores humanos, morais e éticos que constituem os alicerces de uma sociedade de sucesso.
A cada dia que passa, em lugar de empurrarmos os nossos filhos para cima, de os ajudarmos a alcançar patamares para nós inatingíveis, limitamo-nos a arrastá-los connosco, enquanto mais ou menos esforçadamente tentamos assegurar o pagamento de empréstimos e rendas, esticar os ordenados para lá do meio do mês, corresponder às expectativas dos nossos patrões, arranjarmos tempo depois das horas gastas no transporte entre a casa e o trabalho para um simulacro de vida familiar. Não podemos fugir a esta realidade. Mas podemos e devemos exigir o apoio do Estado, para que na nossa ausência, sejam dados às nossas crianças os melhores meios de desenvolvimento, educação e saúde. No dia em que abdicarmos das nossas crianças, das mais necessitadas de entre elas, este País abandonará o comboio dos países civilizados. Onde já se encontra em posição periclitante, a avaliar pelas estatísticas que nos colocam quase sempre nos últimos lugares de tudo o que é bom.
O défice orçamental não é o mais grave problema de Portugal. O mais grave problema que o País enfrenta é o défice de esperança no futuro.
Actualizado em ( Quarta, 10 Abril 2013 23:29 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária