o riachense

Sexta,
17 de Agosto de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Cânhamo

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Existe no Museu Agrícola um espólio completo sobre a produção do cânhamo na região, composto por objectos e ferramentas (gramadeiras, espadelas, plantas) e documentação (fotografias, trabalhos académicos, publicações oficiais e revistas).

O cânhamo é, para o homem ocidental, uma planta têxtil, um recurso biológico utilizado massivamente na indústria de cordoaria. Hoje em dia a cannabis sativa é mais popular entre nós na sua variedade de droga psicoactiva, há muito usada para esse fim por populações africanas e asiáticas. No entanto, as qualidades físicas de resistência, durabilidade e porosidade das suas fibras fazem com que seja insubstituível nas cordas como no vestuário e calçado de qualidade. Por ser uma planta de calor, os territórios mediterrânicos são adequados para o seu desenvolvimento. No entanto, os fios de cânhamo utilizados actualmente nas indústrias portuguesas de calçado e vestuário são, na sua totalidade, importados.

Historicamente o cânhamo foi ao longo dos séculos objecto de incentivo junto dos lavradores portugueses. Decretos reais anteriores ao século XV estabeleciam que o cânhamo era uma cultura de interesse nacional, especialmente relevante para a produção de cabos e velas para os exploradores portugueses.

Muito mais tarde, o regime de Salazar instaurou um programa de incentivo ao cultivo do cânhamo, de forma a substituir a importação italiana, interrompida devido aos esforços da invasão fascista da Etiópia de 1936.

Feita a propaganda e cedidos os incentivos estatais pró-cânhamo, os lavradores riachenses começaram a receber encomendas da Fiação e Tecidos de Torres Novas. Houve uma verdadeira euforia e corrida à cultura, que teve o seu auge durante a década de 40.

Entretanto o cânhamo mais barato italiano regressou, as taxas aduaneiras baixaram, a Fiação e Tecidos deixou de comprar em 1969 e a campanha nacional terminou em 1971. A atenção dos incentivos oficiais virou-se então para a cultura do sisal nas colónias africanas. Nos 34 anos da campanha, o Ribatejo produziu 90% do cânhamo nacional, nas margens do Almonda e do Tejo, nos concelhos de Torres Novas e Golegã.

As varas de cânhamo existentes no MAR, semeadas há umas boas décadas nas várzeas do Almonda, são de uma robustez impressionante: com mais de 3 metros são exemplares únicos para a memória do labor das árduas tarefas daquela cultura. Apesar de profícua, a lavoura do cânhamo foi a mais marcante nos corpos dos trabalhadores riachenses, como alguns ainda hoje testemunham: ”Aquilo não era para cachopos”.

 

Actualizado em ( Sexta, 27 Fevereiro 2015 13:08 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária