o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Ana Isabel Santos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Alguém que nos acuda!

Não fiz carreira nas juventudes partidárias. Não terminei a minha licenciatura ‘à Relvas’. E não comecei a trabalhar já perto dos 40 anos. E como eu, há milhares de jovens. E de adultos. E de reformados. E de pensionistas. Que sem perceberem muito bem porquê continuam a ser castigados pela austeridade de Gaspar.

Quando embarquei naquele voo da TAP, em Agosto do último ano, para emigrar para o Brasil, achava que já tinha assistido a tudo.  Tinha presenciado a ‘fuga’ de um antigo primeiro-ministro para Paris, um governo em ‘desgoverno’ para ‘parceiro europeu ver’ e uma classe média asfixiada em impostos. Ainda assim, dei-lhe o benefício da dúvida. A Gaspar. Pensei: ‘o tipo é reputado, sempre esteve mais ou menos afastado dos aparelhos partidários e tem, provavelmente, o perfil indicado para arrumar a casa’.

Enganei-me redondamente. Na recta final do ano, percebemos, que afinal os sacrifícios foram em vão. Contas feitas encerrámos o ano de 2012 com um défice de 6,4 por cento, o que representa um desequilíbrio orçamental de mais de dez mil milhões de euros. Para não destoar, a dívida pública seguiu a mesma trajectória e representa cerca de 120 vezes a riqueza gerada pelo país. É caso para perguntar: ‘e agora Gaspar?’.

O ano de 2013 já leva quase seis meses. E a receita mantém-se. Austeridade. E que me perdoem os mais entendidos. Mas aprendi que o consumo interno é um dos grandes motores da economia. Para existir consumo é necessário rendimento, para existir rendimento são precisos postos de trabalho. Com o crescente aumento do desemprego, parece-me que o consumo das famílias fica comprometido. Então, como é que se recupera o país?!

Surpreendentemente, depois do circo mediático em torno dos chumbos do Tribunal Constitucional e da saída de Miguel Relvas do Governo, volto a ouvir Passo Coelho numa comunicação ao país. Ouço-o falar em ‘coragem e esperança’, em ‘confiança’. Tenho dúvidas que as centenas de estudantes que abandonam as escolas e as universidades tenham motivos para se sentirem ‘esperançados e confiantes’ no futuro. Também me questiono se as famílias com situações de desemprego se sentem com ‘coragem’ para continuar, sem dinheiro para encher a despensa. 

Não lhe tenho grande simpatia. Mas começo a dar-lhe ouvidos. Manuela Ferreira Leite diz que ‘andamos a fazer sacrifícios em nome de nada’. Também me parece. O aumento do horário de trabalho dos funcionários públicos para 40 horas semanais, nem me incomodou, particularmente. O mesmo não posso dizer a propósito da redução de 30 mil funcionários públicos, da contribuição sobre as pensões ou do aumento das contribuições dos funcionários públicos para a ADSE.

Não entendo como é que uma espiral recessiva poderá contribuir para o enriquecimento do país. Para o aumento da sua competitividade e produtividade. 

E tu, Gaspar? 

 
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária