o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Ana Isabel Santos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

A chuva tramou-nos

Quando me sentei para escrever, confesso que senti alguma dificuldade em escolher o tema desta ‘nossa’ conversa. Ao longo do último mês, assistimos a um Conselho de Estado (quase que anedótico), pudemos ler um relatório do FMI relativo à Grécia que me deixou de ‘cabelos em pé’ e umas declarações de Vítor Gaspar que me deixaram perplexa. 

Mas vamos por partes.

1. O Conselho de Estado convocado por Cavaco Silva, a 20 de Maio. Para avaliar e discutir o futuro do país. A minha dúvida: será que faz sentido discutir o Portugal pós-troika quando ainda temos uma das taxas de desemprego mais elevadas da União Europeia? E quando, o mais provável, é falharmos, mais uma vez, as metas do défice para este ano? 

Parece-me que o ‘Presidente de todos os portugueses’ está, ligeiramente, alienado da realidade. O que não deveria ser uma grande surpresa, depois das várias declarações e episódios menos felizes com que já nos brindou ao longo deste seu mandato (e da sua carreira política).

Teria sido bem mais útil e enriquecedor, uma discussão sobre o presente e sobre os desafios que se colocam ao país neste momento tão delicado e de desesperança para o povo português.

2. Na última semana foi conhecido um relatório do FMI que admite ‘erros notáveis’ no programa de apoio financeiro à Grécia. Um dos responsáveis do Fundo Monetário Internacional admitiu que a instituição subestimou os efeitos da austeridade no crescimento económico dos países sob intervenção.

Choca-me esta leviandade. De se admitirem ‘erros notáveis’ como se fossem apenas isso: erros. Daqueles, sem grande importância, que todos cometemos no dia-a-dia. Só para recordar: a Grécia é um país com uma taxa de desemprego que ronda os 28 por cento. E o flagelo da recessão está ainda longe de terminar. 

Aparte dos choques emocionais, vamos aos factos. Parte dos erros do programa de ajuda à Grécia repetiram-se em Portugal. O agravamento da recessão, o descontrolo da dívida pública e o aumento do desemprego. 

No caso português, creio que o prazo da fórmula aplicada pelo FMI, Comissão Europeia e BCE já expirou. Nos anos 80, tínhamos a moeda. Era possível, num cenário de crise ou de resgate, desvalorizarmos o escudo. E com isso, darmos fôlego às exportações e à economia. Mas agora, os tempos são outros. A moeda é outra e perderam-se instrumentos importantes de política monetária. Por isso, e 30 anos depois, a fórmula deveria ser outra. 

Será que vale a pena continuarmos neste registo de austeridade? A dúvida persiste.

3. E daí, talvez eu esteja a ser demasiado derrotista. Ao que parece, foi o inverno rigoroso que nos ‘tramou’. Vítor Gaspar culpou, na última semana, a ‘chuva’ pela falta de investimento no primeiro trimestre. Bom, espero que os próximos meses, até ao final do ano, sejam bem mais soalheiros. A bem da economia nacional.

Actualizado em ( Quarta, 12 Junho 2013 16:39 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária