o riachense

Domingo,
18 de Agosto de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pensar o que queremos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Ponto número um: Desperdiçar recursos. Na nossa terra só se pensa em abrir lares privados e fazer passeios mal feitos. Por meia dúzia de patacos, a Junta de Riachos já podia há muito ter comprado o mercado, os terrenos que ligam à Casa Povo e até o cinema Olímpia, e ter acrescentado ao seu património um amplo espaço do centro nevrálgico da vila. Quando se diz meia dúzia de patacos, é literal. Quantos programas comunitários existiram nas últimas décadas, comparticipados a 60, 70, 80 ou 90 por cento, alguns dos quais até no corrente ano, e que não foram aproveitados? As colectividades angariam com sucesso milhares de euros para as suas actividades, a Junta não poderia ter feito o mesmo? Isto é um tema que cai de podre, mas reemerge quando vemos autarquias a arranjar dinheiro para renovar o seu património natural (Ribeira Branca) e a oferecer infra-estruturas à povoação (Azinhaga). A política de pedir esmola nunca deu autonomia a ninguém.
Ponto número dois: O verão quente das autárquicas, pelo qual esperamos com anseio. Ainda não há campanha eleitoral, mas há muitos mandatos que não se via uma pré-época tão inesperada. Em Riachos, três listas de peso e ambiciosas no seu programa, e mais outra caída de pára-quedas, prometem debates interessantes e remetem ‘prognósticos’ para o fim do jogo. Na Golegã, o PSD esfrega as mãos ao ver o Veiga Maltez chatear-se com Medinas pela evidência de ter perdido poder e possivelmente dividido a maioria absoluta que o PS teve em 2009. Em Torres Novas, o BE surge com aquela que é, provavelmente, a sua candidatura mais forte de sempre em Torres Novas, a deputada Helena Pinto. No Entroncamento, a candidatura que partiria em vantagem era a da deputada Isilda Aguincha, mas tem o ‘pequeno’ problema de pertencer ao partido do Governo.

Actualizado em ( Quinta, 18 Julho 2013 10:23 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária