o riachense

Domingo,
18 de Agosto de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Colocar o espírito comunitário de Riachos a teste

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Ponto um – Questionar a existência hoje em dia de um “espírito comunitário em Riachos” pretende dar um motivo de reflexão aos riachenses. A notória falta de dinâmica de quem foi eleito para resolver os problemas de Riachos suscita desde logo esta questão e, especificamente, o facto de não ter surgido nenhuma discussão mais funda na última Assembleia de Freguesia a propósito da possibilidade de compra do mercado, no momento em que o encargo da sua renda, por pequeno que seja, ameaça tornar-se incomportável para a Junta da maior freguesia fora da cidade.
Ter “espírito comunitário” não é andar a dizer que gostamos muito de Riachos. Quantas vezes as pessoas que estão envolvidas na política local, de todas as sensibilidades, discutem as necessidades de Riachos e acabam por cair num consenso – num mínimo denominador comum -  enquanto se adiam as soluções para elas? Quase todas. Mas a ideia mítica que existe de Riachos não é: “são só garganta”. É: “são muito unidos”. E os problemas ficam por resolver...
O momento é ideal para reflectir sobre a coesão e a capacidade de mobilização dos riachenses e, em especial, daqueles que eles elegeram no passado e aqueles que vão eleger a 29 de Setembro. Vejamos: a Junta tem-se vindo a tornar, cada vez mais, um organismo completamente impotente para determinar seja lá o que for, a freguesia deixou de poder contar com a Câmara para tudo, nem para a manutenção das valetas e estradas, porque a autarquia não tem um tostão; o velho e degradado espaço do mercado está a entrar numa fase em que mais vale comprar do que continuar a arrendar, as eleições estão à porta, o que se pode esperar delas? Felizmente, as colectividades têm mostrado como é que se faz (veja-se o exemplo de sucesso do Centro Paroquial).
Ponto dois – O jornal o riachense vai organizar um debate no dia 6 de Julho (ver notícia adiante), no âmbito da estreia do filme documentário sobre Riachos, da autoria de João Luz, um candidato a presidente da Junta. O jornal quer esclarecer que procura com o debate aproveitar o momento de reflexão para o qual o documentário pode contribuir sobremaneira, numa altura em que se preparam as campanhas eleitorais, certamente recheadas de propostas sobre o desenvolvimento local. 
Mas não nos alinhamos nem apoiamos qualquer movimento político, contamos, aliás, com a participação de todos os candidatos, apenas queremos actuar segundo o nosso velho estatuto editorial, o qual convidamos o leitor a ler com atenção de forma a ficarem esclarecidas quaiquer dúvidas sobre o posicionamento do jornal.

Actualizado em ( Quinta, 18 Julho 2013 10:23 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária