o riachense

TerÁa,
23 de Maio de 2017
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Joaquim Alberto

Enviar por E-mail Vers√£o para impress√£o PDF

¬†A prop√≥sito das elei√ß√Ķes aut√°rquicas

 FARPADAS

Mais uma vez os portugueses que vivem em Portugal v√£o a votos. Mais uma vez v√£o eleger os autarcas das C√Ęmaras Municipais e das Juntas de Freguesia. E tamb√©m as respectivas Assembleias. Mas desta vez os autarcas a eleger s√£o em muito menor n√ļmero. Porque o governo de Portugal, que foi eleito para reformar o Estado portugu√™s, no sentido de o tornar mais eficaz e menos dispendioso, j√° conseguiu fazer uma reforma: - diminuiu o n√ļmero de freguesias. Ainda n√£o conseguiu apresentar nenhum projecto para a reforma do Estado, ainda n√£o sabemos se de facto o governo quer mesmo reformar o estado, mas a diminui√ß√£o do n√ļmero de freguesias j√° foi feito. Mesmo contra tudo e contra todos.¬†

N√£o consigo perceber como √© que a diminui√ß√£o do n√ļmero de freguesias conseguiu tornar o Estado portugu√™s mais eficaz e menos dispendioso. A raz√£o fundamental para acabar com as freguesias foi o n√ļmero de eleitores ser pequeno; acontece que na grande maioria dessas freguesias os autarcas trabalhavam completamente de gra√ßa. Alguns at√© pagavam do seu pr√≥prio bolso, pelo menos as desloca√ß√Ķes para fazerem o trabalho. Alguns limpam valetas, abrem covas nos cemit√©rios‚Ķ Isto √©, trabalhavam por amor √† camisola. Como fazem ainda hoje os dirigentes das pequenas colectividades (filarm√≥nicas, clubes desportivos, pequenos jornais locais, etc.). O Estado j√° tinha acabado com as escolas, com os correios, com os pequenos centros de sa√ļde, com as casas do povo. A √ļnica presen√ßa que mantinha nessas pequenas terras, era a junta de freguesia. Foi com isso que o estado tamb√©m acabou. Mas a despesa mant√©m-se igual ou maior, porque agora n√£o est√° ningu√©m nos locais para resolver os pequenos problemas do dia-a-dia. Quando as pessoas precisam dos documentos que ainda podem ser passados pelas juntas de freguesia, s√£o obrigadas a deslocar-se muitos quil√≥metros e a pagar a desloca√ß√£o e a perda de tempo. Se isto n√£o √© o mesmo que aumento de impostos, n√£o sei o que √©. Mas n√£o creio que para o estado a despesa no arranjo de ruas e caminhos passe a ser mais pequena‚Ķ

Ent√£o, se n√£o melhorou a efic√°cia nem diminuiu a despesa, porque √© que o estado fez esta reforma? Se queria diminuir a despesa feita pelas autarquias, bastava acabar com as empresas municipais, que na maior parte dos casos servem apenas para que os presidentes e alguns vereadores tenham um segundo sal√°rio. Bastava acabar com o subs√≠dio √†s pessoas que v√£o para as mesas em dias de elei√ß√Ķes. Porque raio de carga de √°gua √© que esse trabalho tem que ser pago? Quando era gratuito funcionava melhor do que agora, exactamente porque era feito apenas por volunt√°rios. Bastava limitar o n√ļmero de assessores dos presidentes e dos vereadores (e tamb√©m dos deputados e dos ministros). Ent√£o porque acabou com as freguesias? A √ļnica resposta que consigo encontrar √© a seguinte: - o estado acabou com as pequenas freguesias, exatamente porque os autarcas trabalhavam de gra√ßa. Era preciso acabar com essa ra√ßa de pessoas. Eles eram uma esp√©cie de cancro no meio dos partidos pol√≠ticos. Ainda por cima eram chatos, a √ļnica coisa que faziam era pedir repara√ß√Ķes de caminhos, de ruas, de estradas‚Ķ Como eram pessoas dotadas de bom senso, tamb√©m pediam que acabasse a burocracia est√ļpida. Assim acabou-se com o mal. Depois, os partidos nem sequer tinham candidatos a esses lugares, porque os membros dos partidos n√£o querem lugares que s√≥ d√£o trabalho e n√£o d√£o nem dinheiro nem prest√≠gio. Agora s√≥ h√° cargos que d√£o dinheiro e prest√≠gio. Com esta opera√ß√£o, acabou-se este cancro.

Eu sempre defendi que a despesa nunca pode ser superior √† receita e tamb√©m que h√° despesas boas mas que n√£o s√£o necess√°rias, por isso n√£o devem ser feitas. Mas para isso √© preciso que os decisores tenham um m√≠nimo de bom senso. As leis e as normas est√ļpidas devem ser abolidas ou n√£o obedecidas pelos nossos autarcas, como por exemplo aquela de obrigarem a fazer um projecto de instala√ß√£o do g√°s natural quando algu√©m quer recuperar a casa que foi dos seus pais e av√≥s. Mesmo sabendo que na nossa gera√ß√£o n√£o haver√° g√°s natural a passar-nos √† porta. Se n√£o √© aumento de impostos, n√£o sei como deveremos chamar a isto.

Actualizado em ( Quinta, 05 Setembro 2013 19:09 )  

Opini√£o

 

Jo√£o Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?

 

Jo√£o Triguinho Lopes

A grande feira de todas as contradi√ß√Ķes