o riachense

Segunda,
16 de Julho de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Ana Isabel Santos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Autárquicas para que vos quero

As épocas de campanha eleitoral são prósperas em disparates. E esta, que agora vivemos, não é excepção. 

“Saímos do fundo, estamos a começar a subir a escada”.  Afirmou Paulo Portas, esta semana. E eu questiono-me: “Estamos?”. Paulo, perdoa-me a ignorância, se for caso disso. Mas é possível estarmos no bom caminho, com taxas de juro de 7,2 por cento sobre as obrigações do tesouro a dez anos? 

O deslize de Paulo Portas valeu-lhe um ‘puxão de orelhas’ do parceiro de coligação. As palavras do líder do CDS-PP, sem surpresas, não agradaram a Pedro Passos Coelho, que teceu críticas àqueles que “criam falsas ilusões de que está tudo resolvido”. O episódio trouxe-me à memória as várias profecias políticas de que foi alvo o país, nos últimos anos. Falo-vos da já velhinha lengalenga do princípio do fim da crise. A mais célebre terá sido a de Manuel Pinho, antigo ministro da Economia de José Sócrates, e que caiu na tentação de balbuciar qualquer coisa como “A crise acabou. Vivemos um momento de viragem”. Estávamos em 2006. 

António José Seguro, não tardou a apontar o dedo a Portas: “Só pode dizer isso quem não conhece a realidade do país”. Concordo. Mas será que tu, secretário-geral do PS, a conheces? Tu, que vives uma liderança esvaziada pela falta de ideias? Que perante a impopularidade do Governo, em momento algum, conseguiste afirmar-te como alternativa? Tu, que vives à sombra do teu passado na Juventude Socialista? Bem me queria parecer.

Continuarei atenta à última semana de campanha eleitoral. Sem dela esperar muito mais. Faltam-nos actores políticos. A sério. Falta-nos presente e falta-nos futuro. Falta-nos a esperança. Em compensação, sobram os comentários levianos. E sobra esta forma pouco profissional e altruísta de fazer política.

Actualizado em ( Segunda, 30 Setembro 2013 20:05 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária