o riachense

Segunda,
16 de Julho de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pedro Barroso

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Número Um

Aquilo que distingue os homens livres dos outros é a sua cultura, a sua capacidade de ver mais longe e mais além. 

Não se pode pedir a um homem que nunca foi a Lisboa que nos indique caminhos em tal cidade. 

Se não falar chinês eu não vou poder achar graça a nenhuma das coisas que estão a fazer rir aquelas pessoas. É natural – são chineses.

Se eu não souber que atrás daquela montanha há um rio, eu poderei morrer de sede.  

Isto é, se não tivermos a cultura e o conhecimento, nunca nos iremos aperceber da diferença entre passar pelas coisas desatento, e o sermos capazes de interrogar a vida, em descoberta permanente.

Ser professor é das mais nobres profissões do mundo. Porque não constrói em pedra ou tijolo. Não domina o ferro ou o papel; não segura, não defende, não remenda, nem cura. 

Constrói pessoas. E, com elas, o futuro da sociedade e das existências. O circuito eterno da vida e a continuidade dos países no mundo. 

Constrói em material humano, dúctil e frágil, melindroso e versátil, terno mas aquisitivo.

Ao saber que esta escola, aqui, a nossa Chora Barroso, foi a melhor do ranking no distrito de Santarém, muitas coisas me vieram à cabeça. 

Afinal, aqui trabalha-se o futuro, transmite-se, ganha-se a batalha do saber. 

Afinal, esta terra tem gente inteligente, que luta e estuda e aprende. E tem resultados visíveis.

Afinal, há motivos para ter esperança - uma discreta e vigilante esperança – no futuro. 

Uma notícia no Expresso hoje fez-me chorar na distância do tempo, sem que nada nela signifique ou desmereça especialmente. Mas que é bonito... É! 

Acontece que, no ranking de escolas do Distrito de Santarém a Escola Secundária Dr. António Chora Barroso é a melhor no 9º ano!

E sermos filhos desse orgulho não fica mal a ninguém. Parabéns a todos os que levantaram o moral a este velho marinheiro da cultura, por um instante lapidar de orgulho e uma furtiva lagrima vivida na qualidade e na memória. 

Creio que, discretamente, já tão longe, meu pai ainda conseguiu sorrir. 

Porque afinal, valeu a pena.

Assim se perpetua, com respeito e dignidade, aquele que foi um grande, um enorme professor.

Agradeço a todos os que trabalham nessa casa por um despertar diferente. Sem soberba, mas emocional. Coisas do sentir; que nunca sabendo bem porquê, nos arrepiam.

Actualizado em ( Quarta, 20 Novembro 2013 16:53 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária