o riachense

Quarta,
17 de Julho de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

O aparecimento duma igreja (que era velha e já morreu)

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
 
"Aos sete dias de fivireiro era de 1656 resebeo o padre manuel fernandes com licensa do reverendo prior e do vigairo geral a Amtónio Rodrigues com Maria Ribeira em a ermida de Santo Amtónio sita nos casais dos riachos forão padrinhos jorge dias e joão de figeiredo madrinhas Luiza Amtunes e Margarida Rodrigues de que fis este termo que asinei o Licenseado Manuel falardo" .
 
Este é o texto mais antigo que consegui encontrar onde aparece referida a igreja velha, decidi transcrevê-lo na ortografia original (com as abreviaturas resolvidas) por me parecer que é totalmente legível e sempre fica pelo pitoresco.
 
Dele ficamos a saber que, para além do facto de a igreja estar a funcionar naquela data, ela se situava nos casais dos Riachos, pelo que se pode assumir que a localidade nasceu ali à volta do largo onde a dita igreja existiu, devendo contar nesta época com cerca de 50 famílias, talvez 150 pessoas, faltando acrescentar que a primeira vez que num registo paroquial é mencionado um individuo morador nos casais dos Riachos é em 1623, e antes dessa data apenas existem referências ao porto e quinta da várzea, quinta do minhoto, quinta do melo e valada, os restantes registos referiam simplesmente moradores no espargal, como quem diz algures no meio do matagal de espargos. O resto desta povoação, tipicamente dispersa, foi aparecendo e foi-se ligando a este centro ao longo dos tempos, mas a isso espero voltar noutra oportunidade. 
 
O primeiro baptismo registado na capela dos Riachos aparece em 1866 e com regularidade em 1872, o que coincide com uma das datas em que terão terminado as beneficiações de 1871, de acordo com José Gonçalves (Memória Cristã de Riachos, 1999, p. 16). Entretanto voltam a rarear nos anos seguintes e reaparecem em 1883, com o seguinte texto "Aos três dias do mês de Outubro do ano de mil oitocentos e oitenta e três nesta Capela pública do lugar dos Riachos da freguesia de Santiago..., cuja Capela tem uma Provisão de licença concedida pelo... Cardeal Patriarca... de trinta de Novembro de mil oitocentos e oitenta e dois, em que autoriza a administração de todos os sacramentos, ainda o de Baptismo e Matrimónio aos moradores do dito lugar dos Riachos..." . Os baptismos são interrompidos entre 1902 e 1907, coincidindo com as obras de ampliação referidas na p. 21 da obra atrás citada. A partir de 1907 são raros os casos em que os moradores dos Riachos levam os filhos a baptizar na igreja de Santiago, pelo que se pode concluir que as obras levadas a cabo na capela a terão dotado das condições necessárias para servir a nova freguesia dos Riachos que se pretendia "... por desmembramento da de Santiago de Torres Novas...".
 
Vamos agora voltar ao ano de 1600 e imaginar que umas poucas dezenas de famílias começaram a levantar a capela, depois os filhos deles e outros que se vinham juntando à nova aldeia, provavelmente durante décadas. Depois foi uma espera de mais de 200 anos para que ela tivesse licença para realizar todos os actos habituais duma infraestrutura deste tipo, e gastar mais umas décadas, dinheiro e trabalho de muitos outros para a transformar numa igreja que, por fim, viesse proporcionar o objectivo que se perseguia há 300 anos de não ter de calcorrear uma légua para lá e outra para cá para cumprir com todas as obrigações que a religião impunha. 
 
O resto da história é simples, veio a república em 1910, a lei de separação das igrejas e do estado em 1911 e em 1942 foi entregue, com dependências e recheio, à fábrica da igreja que a terá trocado pelos terrenos onde foi construída a igreja nova. A câmara de Torres Novas, tradicionalmente conhecida por deitar abaixo tudo quanto havia de antigo, decidiu que a tal capela, que era do povo, devia ir abaixo em nome de não sei o quê. O enterro foi em 1965. 

1 - Registos paroquiais da freg. de Santiago de T. Novas, livro M6, fol. 41v. O catálogo dos livros de Santiago pode ser pesquisado em http://digitarq.dgarq.gov.pt/, usando a ref. PT/ADLSB/PRQ/PTNV14 
2 - idem, livro B34, fol. 40. 
Actualizado em ( Sexta, 07 Fevereiro 2014 12:22 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária