o riachense

Tera,
11 de Dezembro de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Tanta mentira em tão pequeno país!

Não sei se os autarcas do concelho de Torres Novas participaram na reunião onde se debateu o envelhecimento da população e o despovoamento do território.

Mas gostaria de saber, se participaram, o que reclamaram. O envelhecimento da população? O encerramento das escolas, dos postos de saúde, dos serviços postais? A eliminação de parte substancial das carreiras públicas entre a cidade e as freguesias? A municipalização política das escolas da cidade, com directores nomeadas segundo a sua cor partidária? A destruição real, efectiva, do Hospital de Torres Novas, secundarizado em relação a Abrantes e a Tomar? A deslocação, sem capacidade material, dos doentes e famílias, para os hospitais dessas cidades, com gastos vastíssimos em despesas de deslocação, taxas moderadoras, serviços de urgência e outros cheios de tarefeiros pagos a empresas privadas, onde os seres humanos se transformam em números de estatística e os velhos em gastos inúteis, por isso dispensáveis? E, anos depois da destruição concretizada, nenhum hospital funciona bem, nenhum tem os médicos e enfermeiros necessários, nenhum tem remédios, equipamentos, material clínico, transportes, suficientes? 

A cidade histórica em ruínas? O associativismo a tentar sobreviver à custa da solidariedade cívica e do empenho dos seus associados? A arte, a música, a literatura, o teatro, o património, transformados em filhos pobres, com publicações à custa do esforço alheio, gratuito, sem nenhum apoio, contra as viagens presidenciais a Cabo Verde e a Timor com resultados para quem? E os livros sobre o tema, quem os edita e paga? Edifícios municipais em obras contínuas, com multas que os munícipes sentem no pelo, como se fossem os réus dos processos que a autarquia deveria enfrentar, se a justiça fosse algo, outra coisa, que esta de deixar os ricos e os políticos na excepção?

Foram à reunião dizer que durante vinte anos contribuiriam de forma decisiva para o abandono, o envelhecimento, o despovoamento, o empobrecimento da cidade e do concelho? O vosso empobrecimento?

Egas Moniz assumiu as culpas de Afonso Henriques e foi com a família, de corda ao pescoço, lavar a sua honra contra a escassa do seu candidato a rei de Portugal. Começou mal o país. 

E, hoje, os que governam, seguem mais o Afonso que o Egas Moniz. O povo é este. O governo, a presidência, A Assembleia da República, os partidos políticos, são filhos, legítimos ou não, do fundador. O povo, esse sim, também de corda ao pescoço, mas infelizmente sempre à espera dum badameco dum D. Sebastião, que nunca serviu senão para os seus caprichos amanteigados pelo jesuitismo. 

Marcelo Rebelo de Sousa, no domingo passado, no seu monólogo de pitonisa com a cada vez mais jovem Judite de Sousa - se não se precata, após o divórcio, ainda chega à adolescência - teve o rebate de consciência, ao vir ao tema a palavra desemprego e empobrecimento da classe média, de se autoconsiderar um privilegiado, a quem as mexidas no bolso do Governo laranja não incomodam. Pudera! Quanto ganha e onde, por mês, além do seu vencimento do professor universitário, Marcelo Rebelo de Sousa? Quantos da sua família, por necessidade, emigraram? Quantos estão inscritos nos centros de emprego? Fica-lhe bem reconhecer o estigma da diferença, num país adiado, também á sua custa. Mas nada remedeia. O povo vive noutras tabernas, a sua universidade foi a do esforço, desde a saída da infância por um salário de sobrevivência. Como podem os Marcelos empobrecer?

Regresso ao início. Foram, senhores autarcas do meu concelho, nessa reunião, declarar-se culpados, por mediocridade, por salve-se quem puder, do que destruíram?

Trazemos nos pulsos as marcas das algemas com que nos levam ao mercado de escravos, que é a indigência, a misericórdia, a desfaçatez, a sobranceria, o autismo.o que os leva mais céleres a Cabo Verde, à Roménia, a Timor, à volta ao mundo, que à consciência crítica do falhanço e fraude locais.

Com que percentagem se declaram poder absoluto e continuam a mesma senda que, nacional, Coelho e Portas desejam, e pangermanista, Merkl inscreve o seu novo Mein Kempf para os países do Sul da Europa, à custa da exploração da pobreza e do sofrimento desses povos?

O meu desejo já não é um 25 de Abril, mas outra coisa, mais dura, mais agreste, mais incomodativa. 

Não é possível perdoar a quem nos humilha e explora. Não é possível, povo.

3 de Abril de 2014 

  Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

António Mário escreve sempre às quintas-feiras em www.oriachense.pt 

Actualizado em ( Quinta, 03 Abril 2014 14:06 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária