o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Manuel Ferreira

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Gente de guelra 

A situação económica na Europa continua a fazer vítimas, e o descontentamento é grande. A França e a outros países continuam a chegar muitos portugueses, em busca de uma vida melhor: são a preocupação das poucas e parcas organizações de benemerência que tentam dar-lhes (algum) apoio.

Desde que chegam e quando o encontram, agarram-se a tudo o que é trabalho, esquecendo por vezes a profissão mais agradável que exerciam em Portugal, para começarem o seu percurso. São apreciados e alguns deles conseguem mesmo fundar a sua empresa, pequena ou grande. Conheci mesmo um analfabeto que o fez. Que ousadia! E que poder de decisão!

Aqui em Riachos temos o «Chico Caniço», que tem e dirige uma empresa de ambulâncias em França e que já deu uma aos Bombeiros de Torres Novas, há anos. 

Na Suíça temos o Carlos Mota que, quando o Movimento dos Trabalhadores Riachenses em França (MTRF) estava activo, nos recebeu e arranjou cama e mesa para todos, quando fizemos uma excursão a Lausane e a Genebra. Esse tem um bom restaurante, muito frequentado por gente que gosta das boas iguarias e tem meios para as pagar. 

 O Paulo Madeira, Riachense de gema, filho da senhora mais conhecida por «Maria do Peixe», chegou a França com a profissão de carpinteiro. Trabalhou muito por conta de outrem. Com o tempo aprendeu a língua, conheceu os franceses e foi sonhando. Daí saíram pelo menos duas empresas (uma das quais a EGM Morgado), que funcionam bem. Podemos ver no Facebook, algumas das suas realizações, obras que nos deixam admirativos. E com amor à terra! A Sociedade Civil Imobiliária (SCI) que engloba os imóveis, chama-se SCI Riachos, o que leva os franceses a perguntarem o que significa Riachos. 

Nestas tarefas, é secundado eficazmente por sua esposa, a Ana, que assegura o secretariado e, sem conhecer a profissão, é capaz de fazer orçamentos, na ausência do marido, que os clientes aprovam e que o Paulo executa com os seus empregados. É agradável ver um casal que se completa.

Hoje já têm um património confortável, que não chegou por acaso. O Paulo nunca se recusou a trabalhar a noite e dias inteiros, se as circunstâncias o exigissem, pois aqui, os prazos de acabamento das obras têm de ser respeitados.

Sendo portugueses, não se esquecem de dar trabalho às empresas existentes em Portugal, às quais encomendam materiais bons e mais em conta do que aqui em França.

O Paulo e a esposa compraram os locais de uma antiga farmácia no prédio onde moram, só para exporem o que de bom se faz em Portugal, no que diz respeito a mobiliário: mostras de cozinhas, portas inox, cadeiras de várias formas, etc., só para fazerem um mostruário para os clientes que os consultam. Há por vezes pessoas que não conhecem e tocam à campainha. Recebem a resposta de que o que está exposto não é para venda livre, mas sim o catálogo - digamos assim - para as empresas que os vêm consultar.   

É certo que eles também não se esquecem dos amigos.

Quando cheguei à terra onde vivo, desconhecia que havia numa outra igreja uma comunidade portuguesa que, desde que soube da sua existência, sempre ajudei quanto pude e quando me pediram, mesmo agora na Festa da Senhora de Fátima. Antes disso, integrado já na paróquia (de língua francesa) onde vivo, que é dirigida por padres salesianos e composta por pessoas de todos os continentes excepto da Oceânia. Como foi a primeira , decidi nunca a abandonar.

O grupo tamul, originário da Índia, quis fazer a Festa com procissão de Nossa Senhora de Velankany, venerada nesse país. Há uns sete anos, o pároco pediu-me para que Nossa Senhora de Fátima fizesse parte da procissão. O andor que servia na comunidade portuguesa era enorme e muito pesado. Bem tentei sensibilizar os da profissão para que me fizessem um mais pequeno, mas todos «fizeram ouvidos de mercador».

Já estava disposto a pagar um a quem o vendesse ou mo fizesse. O Rogério Vieira lembrou-se do Paulo Madeira e lá fomos. Tivemos jantar e a seguir começou a fazê-lo. No dia seguinte à noite, hora a que os clientes podem ser contactados e com encontros marcados, o Paulo acabou o andor e ainda foi vê-los. O trabalho não espera, é a regra desta gente!

 Perguntei quanto lhe devia. Disse-me que eu estava doido, ele que tinha roubado tempo ao trabalho, à família e fornecido todo o material necessário. Fiquei impressionado, pois o Paulo não se engasga com o fumo da cera. Concluí que Nossa Senhora às vezes mostra o valor dos que escolhem não ir à Igreja. Ou serão reminiscências da juventude? Eu fiquei-lhe muito grato! Houve procissão com as duas imagens!

A Andreia que fez o curso de Gestão de Empresas e já trabalha fora, tem sorte em ter uns pais assim!

Com as mesmas mãos, a mesma inteligência, a mesma vontade, esta gente, se tivesse ficado em Portugal, conseguiria fazer o que faz aqui? Não sei qual a vossa resposta, mas deixo a pergunta.

 

Actualizado em ( Sexta, 06 Junho 2014 14:29 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária