o riachense

Quarta,
20 de Junho de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Não há nada como uma farda para se pedir respeitinho

Não sei se os possíveis leitores, entre a mistificação da feira medieval de Torres Novas (será que o executivo ignora que Torres Novas se continuou pela Idade Moderna, passou por África, Índia e Brasil, só teve vereadores representantes do 3º Estado a partir de D. João IV, sofreu as agruras da Inquisição, que lhe destruiu, no Antigo Regime, até ao Marquês de Pombal, as estruturas comerciais, e na idade contemporânea, sofreu as Invasões francesas, optou pelo liberalismo, a regeneração, o fim da monarquia, a implantação da república, a 1ª Guerra Mundial, o 28 de Maio, a República Corporativa de Salazar, a 2ª Guerra Mundial, o MUD Juvenil, os presos políticos, a geração de 60, o 25 de Abril, o 11 de Março, o 25 de Novembro, a adesão à Comunidade Europeia?) e o Mundial de Futebol no Brasil, se aperceberam de que:

- O BES de Angola perdeu o rasto de 5, 7 milhões, mas que 745 milhões foram parar às contas dum dos dos administradores, que segundo o Expresso, serviu para negócios de família. E os outros? Para as contas de quem? E ninguém é preso?

- A nível do ensino batemo-nos furiosamente com a Turquia, para defesa do último lugar da OCDE do país com a menor população com o 12º ano: Portugal - 18%, OCDE - 44%; EU - 48%. O arco da governação procura transformar o ensino, com a ajuda dos media dominados pelos seus representantes, numa menoridade mental, para o apoio das elites, do ensino privado. Duvida-se que os professores reclamem? 40 mil candidatos ao lugar de professor - contratados com 365 dias de serviço nos três últimos anos lectivos, para 1954 vagas no quadro, não têm direito a protesto?

- A nível da prevenção de VIH, Portugal é dos países europeus com a maior percentagem de diagnósticos tardios da infecção, perto de 60%.

- Médicos só declaram oito dos vinte e oito milhões doados por laboratórios. Mas a cirurgia é um acto sagrado, definiu-a o Dr. João Lobo Antunes, na sua última aula, antes da jubilação. Ou deveria ser? E não deixo de perguntar - e o que os políticos, banqueiros, advogados, administradores, empresários, etc., não declaram?

- O PSD diz que os juízes do Tribunal Constitucional não têm categoria para ser juízes do mesmo. Esqueceu-se de quem os lá meteu. Ao primeiro sinal de independência, os ratos procuram fugir do naufrágio. 

- Marisa foi pugnar contra a violência das cheias que transformaram as martirizadas Bósnia, Sérvia num pesadelo de fome, miséria, escassa sobrevivência. As inundações não só destruíram o que é essencial: casas, alimentação, água potável, uma profilaxia higiénica contra epidemias. Ainda para agravar o pesadelo: as minas da guerra desertaram com as chuvas e prometem novas infelizes vítimas. Marisa, só, um abraço solidário.

- Obama critica o Congresso de impedir a aprovação duma lei que impeça a imagem diária dos EUA, com a bênção dos conservadores, dos neo-racistas do Tea Party, que são os resíduos do Oeste da lei da bala. Mas era preciso que Obama pudesse ou quisesse, ou o deixassem ir mais fundo. Quem é quem no Congresso, no Senado, no Pentágono, nos Partidos Republicano e Democrata, no negócio de armas. Talvez se explicasse o Viename, o Afeganistão, o Iraque, a guerra dos Balcãs, o bloqueio de Cuba, o assassinato dos Kennedy, a unificação serventuária da Alemanha, o neo-liberalismo conservador e autoritário da senhora Merkel, a indústria química e farmacêutica, o monopolismo especulativo financeiro, o fascismo capitalista bancário, Bidelbergo tráfico de droga, armas, humanos?

- A monarquia continua em Espanha, com o apoio mesureiro do partido socialista espanhol. Franco vira-se de gozo no túmulo, por ter conseguido que a parasitologia se transforme em algo mais importante que as touradas e o flamenco. O meu republicanismo plebeu mantém-se de acordo com uma Ibéria onde Saramago, Torga, Unamuno, se revêem, não num socialismo do burlesco.

- O dinheiro que corre, ai o dinheiro que corre para o bolso de advogados. Proença de Carvalho, homem, não de mil ofícios, mas de dezenas de conselhos de administração, defende na Controliveste o despedimento de dezenas de funcionários para que diminua o que nunca pode diminuir, porque ele foi um dos seus defensores - elites que vivem à custa do sofrimento alheio, mantendo a ignorância como regra de exploração social. Mas a isto não se refere Cavaco Silva no seu discurso, nem o chefe do Estado Maior das Forças Armadas quando pede respeito para algo que o perdeu durante mais de quatro dezenas de anos e só a reganhou com o 25 de Abril. Mas, estarão as Forças Armadas de hoje ao serviço do povo, como as que fizeram a revolução? O respeito duma instituição começa pela sua dignificação, não pelas ameaças contra um povo que protesta. Incomoda-se o Chefe de Estado Maior das Forças Armadas? Porque o povo, espoliado, explorado, ofendido, ignorado, gozado, vilipendiado, protesta? Quantas condecorações do 10 de Junho assentam sobre a exploração dos que protestam? Será que um trabalhador duma fábrica, um rural, um empregado do sector terciário, não merece a condecoração garantida aos administradores que os exploram e destroem? O dez de Junho representa que forças armadas? As de Marcelo Caetano? A Brigada do Reumático? O Américo Tomás? O Tenreiro? O Kaulza de Arriaga? O general Spínola da contra-revolução? Ou o general Humberto Delgado? Os capitães de Abril? Salgueiro Maia, esquecido? Melo Antunes? Vasco Gonçalves? O general Costa Gomes? Mesmo, com todos os efes e erres, Eanes? 

Os meus 72 anos permitem-me a pergunta. Quer Sua Exª responder?

- Cavaco, após o desmaio, repetiu o discurso do costume. Nem o desmaio nos salva da Europa Cavaquista? Um desmaio destes, em qualquer país democrático, obrigava a um boletim clínico sobre a saúde de quem nos representa. Em Portugal tudo é silêncio, desinformação, desrespeito constitucional. Será que este arco da governação, com Cavaco como progenitor, não cabe inteiro, no Ensaio sobre a Cegueira de Saramago? Será que nem reparam que a própria Europa, após eleições, já começou a fazer actos de contrição aos planos de austeridade?

Só fecham jornais? Não lêem jornais?

- Regresso ao início. É por estas ambiguidades que a Câmara Socialista da minha cidade se mantém inalterável em festejos da Idade Média?

12 de Junho de 2014 

  Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

António Mário escreve sempre às quintas-feiras em www.oriachense.pt 

Actualizado em ( Quinta, 12 Junho 2014 16:42 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária