o riachense

Sexta,
20 de Setembro de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Demasiado cruéis

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

 
Carlos Tomé

Quando o Zé Tonho Bud Spencer, mecânico dos Luzes, entrou no café e se sentou numa mesa à janela, eu já sabia perfeitamente que não ia servir um Toddy, ou um quarto de água de Carvalhelhos e muito menos um refresco de capilé. “Saia um jarrinho de mistura e um pratinho com umas taliscas de presunto e queijo para ajudar a engolir a bebida”. A mistura foi feita como de costume. Sem segredos. Só vinho branco da Adega Cooperativa da Goucha, o melhor da região, e a incomparável gasosa Baía, tudo bem fresco e despejado ao mesmo tempo para o jarro de litro. Era de beber e chorar por mais. Não tinha espinhas. A bebida não aqueceu mais de cinco minutos no mármore da mesa e o Zé Tonho já reclamava uma nova dose e depressa porque tinha que ir ao cinema. E ria-se a bom rir como só ele sabia.
 
O Zé Tonho tinha lugar marcado para as sessões da noite de todos os domingos no primeiro balcão do Olímpia. Era um cinéfilo de primeira apanha e então quando se tratava de cenas a atirar ao cómico ninguém o parava. A sua gargalhada inconfundível fazia-se ouvir em toda a sala e chegava mesmo a acordar o Enxuto que dormia profundamente na primeira fila da plateia. Ora, como o Enxuto tinha um acordar mal disposto e não calava as asneiras em voz alta disparadas à toa, só o cabo Valério em serviço no cinema o conseguia arrastar da cadeira para a rua mercê da força da autoridade.
 
A alcunha de Bud Spencer tinha sido atribuída ao Zé Tonho graças às suas parecenças físicas com o actor que se notabilizou com Terence Hill nas cenas de Trinitá dando marteladas com os punhos fechados no alto da pinha dos desgraçados meliantes. Incapaz de fazer mal a uma mosca o nosso cinéfilo haveria de dar inteira razão à alcunha quando sentado no balcão do Olímpia batia nos braços da poltrona enquanto largava a famosíssima gargalhada.
 
Tinha Bud Spencer acabado de pedir o terceiro jarrinho quando chega El Rodrigo, também conhecido por Colega, mais um cinéfilo de primeira água, depois de ter estacionado a sua Sachs Minor de encontro à parede da casa do Carlos Coxo, vindo do Largo até aí com o motor desligado e a ajudar a sarrasqueta a percorrer o caminho palmilhando o alcatrão com os sapatinhos 44 comprados na Sapataria Paulino. “Foi demasiado cruel ò vizinho, demasiado cruel” lamentava-se visivelmente agastado. Apreciador do bigodinho de Errol Flynn, da bacia de John Wayne, da cintura da Rita Hayworth e dos filmes de qualidade acima da média, El Rodrigo ficaria para sempre derrubado ao ver a Garganta Funda no Virgínia. Repleta de realidade nua e crua a rainha das películas pornográficas, uma novidade cinematográfica, haveria de dar origem a várias sessões esgotadas no Virgínia e mexeu com o mais fundo do seu ser cinéfilo. El Rodrigo nunca mais foi o mesmo.
 
Perto da hora do cinema já o João Neco, na sua impressionante velocidade, tinha trabalhado todo o santo dia a assentar tijolo, fazendo de servente e de pedreiro ao mesmo tempo, devorado um cozido à portuguesa e bebido café antes de acelerar na sua Vespa para se apresentar ao serviço como porteiro do Olímpia antes do filme começar. Nessa noite, entusiasmado pelo Zé Tonho, enchi-me de coragem e decidi ir ver o filme que desconhecia em absoluto, embora só tivesse idade para ver a Mary Poppins ou no máximo o Johnny Weissmuller no Tarzan. À socapa consegui entrar no cinema para ver finalmente um filme a sério numa altura em que o João Neco se distraiu à conversa com o Manuel Lontro. Só depois li o folheto em papel bíblia que o Chico Cego tinha distribuído, como era costume, com a programação do Olímpia e a sinopse do filme, e só muito mais tarde percebi que tinha visto A Filha de Ryan, um grande filme de David Lean, que quase ninguém conhecia, com o Robert Mitchum. Naquela noite, inchado de tanta ignorância e aborrecido pela fita não ter sido aquilo que eu esperava que fosse, vinguei-me com dois refrescos de groselha confeccionados com água da fonte do Adriano no intervalo do filme de que não percebi patavina.
 
Nessa sessão não vi nem ouvi o Zé Tonho. Se calhar faltou pela primeira vez a um filme no Olímpia. Senti um ligeiro complexo de culpa. Fiquei sempre com a impressão de que os jarrinhos não o deixaram ver o Robert Mitchum. Como diria o El Rodrigo, foram demasiado cruéis.

Actualizado em ( Quinta, 10 Julho 2014 15:31 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária