o riachense

Domingo,
27 de Maio de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

José Trincão Marques

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Mar alto

A zona costeira de Portugal Continental é extensa e reveste elevada importância. Estende-se por quase mil quilómetros, concentra mais de três quartos da população, possui uma densidade populacional dupla da média nacional (a que acrescem fluxos sazonais consideráveis) e produz a maior parte do PIB português. As previsões de desenvolvimento futuro apontam para o acentuar desta tendência de concentração demográfica e económica.

Este contexto de ocupação e valorização crescentes da zona costeira de Portugal Continental atribui grande relevância à necessidade de conhecimento e abordagem das alterações climáticas (aumento da temperatura global da atmosfera, modificação do regime de ventos e pluviosidade, bem como a ocorrência mais frequente de fenómenos meteorológicos extremos), das suas consequências (elevação do nível médio do mar e do regime de ondulação e temporais) e dos respectivos impactos na zona litoral (maior probabilidade e extensão de inundação, intensificação da erosão, assoreamento e intrusão salina).

O nível médio do mar irá continuar a subir de modo acelerado, sendo já atualmente de 3 milímetros por ano. Projeções recentes, baseadas em vários cenários socioeconómicos globais, indicam que a subida do nível médio do mar no final do século XXI, relativamente ao presente, terá valores compreendidos entre 75 centímetros e 190 centímetros.

As principais causas para o aumento do nível médio do mar são a expansão térmica dos oceanos, a fusão dos gelos nos glaciares e nos polos (em particular na Gronelândia e na Antártida), bem como o uso dos reservatórios subterrâneos de águas terrestres.

A evolução das alterações climáticas neste século e das suas consequências no que respeita à subida do nível médio do mar é um problema de grande importância para Portugal, que deve fomentar o seu conhecimento e discussão, não apenas pela comunidade científica mas também por todos os sectores da sociedade.

Com efeito, os índices de ocupação humana da zona costeira mundial e portuguesa continuam a crescer, avolumando as pressões sobre uma faixa estreita e extremamente vulnerável, que foi bastante afetada nos últimos temporais de Inverno.

Para além de medidas de mitigação das alterações climáticas (como a redução da emissão de gases com efeito de estufa), devem promover-se medidas de adaptação à subida do nível médio do mar, como processos de resposta em que se procuram minimizar os efeitos dos impactos atuais e futuros das alterações climáticas nos diversos sistemas naturais e sociais.

O que pressupõe a adopção de uma estratégia com prévia avaliação integrada das vulnerabilidades e impactos nos vários sectores socioeconómicos e sistemas biofísicos, bem como uma reaprendizagem do nosso relacionamento com o mar, que promova a disciplina e a prevenção na ocupação urbanística das zonas costeiras.

Os elevados valores intrínsecos das zonas costeiras, de ordem natural, económica e social, constituem a principal justificação para a sua gestão sustentada, de forma a podermos deixar às gerações futuras um património melhor compreendido e mais saudável.

O grande paradigma de Portugal, que é o mar, não desapareceu. Irá, pelo contrário, acentuar-se. Cerca de 97% do território português é constituído por mar e apenas 3% por terra firme. O peso ancestral da nossa História é incontornável e começa de novo a vir ao de cima, com o ressurgimento contemporâneo do mar no nosso pensamento estratégico, como sinónimo de modernidade, de inovação e de enorme oportunidade.

Nas palavras de Fernando Pessoa, “Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu”.

Actualizado em ( Quinta, 24 Julho 2014 14:41 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária