o riachense

Quarta,
24 de Julho de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Uma latinha de enchovas

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Carlos Tomé

Por causa de um barril de cerveja mal engatado, a vareta fugiu como um raio, passou rente à prateleira do brandi deitando abaixo a garrafa de Aniz Marie Brizard e a botija de Genebra, mas poupando a garrafa de Macieira reservada para o Dr. Macieira, fez um voo rasante pela ventoinha do tecto que mexia tão devagar que era como se estivesse parada, ameaçou os frascos de rebuçados do Dr. Bayard e das pastilhas Bazooka, roçou pela parede o diploma de tirador de cerveja e o dístico “se vens aqui como amigo entra já que a casa é tua se não vens também te digo é melhor ficares na rua” sem consequências de maior e foi estatelar-se de encontro à arca dos gelados da Olá perfurando uma caixa de Super Maxi e outra de Epá.
 
Faltou a imperial. Tocou o alarme das urgências. A clientela ficou em transe, sem saber como viveria o resto do dia, vendo negro o seu futuro imediato, antevendo a morte, agonizando no deserto à míngua de sumo de cevada. Os mais afoitos já pegavam nas bicicletas para irem ao Chico Afonso na Golegã matar a sede. O Alfredo Sacristão, se soubesse, tinha tocado o sino da igreja a rebate e se a sirene dos bombeiros se fizesse ouvir lá iria logo o Bernardino a acelerar deitado na sua Zundapp Famel. Era urgente chamar o Joaquim Seruga, o melhor e mais experimentado técnico de frio da região, para tomar conta da ocorrência. Felizmente não foi preciso procurar muito porque o técnico vinha nesse momento a entrar no Central pois tinha montado o seu escritório precisamente no balcão do Café. 
 
Com a sua calma habitual, Joaquim Seruga tinha primeiro que averiguar a situação, tirar o azimute à coisa e fazer o diagnóstico da maleita. Como não havia imperial, pois era evidente o problema com a pressão do barril, para as primeiras impressões foram meia dúzia de médias Sagres, a sede que se deseja, mais meia dúzia de médias Clok, a água de Santarém e para terminar o diagnóstico um par de Marinas, essa cerveja do Algarve que se bebia quando não havia outras. Claro que entretanto tinha chegado o Manel Arego, adjunto do Seruga, que não deixava ficar o amigo em maus lençóis e que com o mesmo constituía a parelha de especialistas de frio mais sedenta da região. Os técnicos instalaram-se de pé encostados ao balcão junto ao barril olhando para o seu estado com o desdém e a altivez de quem domina os seus segredos e não os revela. 
 
Depois de esgotadas as três grades de cervejas variadas, e não havendo imperial, Seruga decidiu então resolver o problema. E mais depressa do que um fósforo já havia imperial de novo. “Milagre, já temos imperial!” gritava o Zé Pirão que nunca faltava a uma avaria destas e pedia mais uma rodada de imperiais e um alguidar de marisco do Eusébio. “Para mim é só uma lambreta”, “e para mim traz-me um panaché” suplicavam duas pessoas a que ninguém dava importância porque não gostavam de cerveja. “Ao que nós chegámos, já não se bebe cerveja a sério” exclamava aborrecido o Vítor do Stand que só bebia canecas.
 
Foi então engatado um novo barril que ficou vazio na meia hora seguinte graças ao empenhamento profissional do Seruga e do Manel Arego aos quais se juntou o Almeida a tocar tambor no tampo do balcão. Os três deram conta da tarefa sem grande sacrifício. O Seruga esteve mais de seis horas a empinar imperiais sempre encostado ao balcão e nunca em ocasião alguma foi visto a ir à casa de banho. “Mas onde é que este gajo que é um pau-de-virar-tripas mete tanta imperial” perguntava um cliente com a seriedade de quem quer saber o significado da vida. E isto sem que alguma vez o Seruga distorcesse a voz ou falhasse algo no seu raciocínio altamente científico de cubicar uma caixa de fósforos. 
 
Aliás, a fase da cubicagem era o apogeu da actuação do Seruga que até metia cálculos aritméticos, equações progressivas e decimais, energia cinética, o teorema de Descartes e outros conhecimentos da Física que a todos faziam abrir a boca de espanto e que punham em sentido a professora Olga, conhecida entre os alunos por Olguita, se tivesse o azar de entrar no Central naquele momento para comprar tabaco.
 
Depois de derrotado por KO o segundo barril e quando toda a gente pensava que o Seruga tinha finalmente esgotado a sua capacidade de ingerir aquele tipo de líquidos, este chamou-me de lado e soprou-me ao ouvido “ouve lá não tens aí uma latinha de anchovas para ajudar a beber mais uma?”.

Actualizado em ( Quinta, 24 Julho 2014 14:47 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária