o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Saudade novamente

Nunca se ouviu tanto da saudade como agora. Esta geração sabe-a tão bem que dói. Repito o discurso mas há que soltar. É a força que nos resta e nos apega ao que somos. 

Partilho com a maioria dos que estão fora o sentimento do crescer patriota que antes - em mim - não havia. Pela saudade, sempre, do quente de quem ama, das cores e cheiros com que se cresce.

Atiramos isto pelo ar e flutuam as memórias. A corda de estender a roupa que prende desde a casa ao quintal. O cheiro da hortelã ao passar. As paredes caiadas. O perfume das arcas antigas. O arrancar da laranja fresca da árvore da avó. Saborear. A sensação de crescer e confiar. O abraço apertado dos pais. O olá. O até já. Nunca o adeus.

Não deixo muito espaço entre estes pequenos quês e o meu coração.

Sou uma criatura emocional sem remédio. Desavergonhadamente sensível.

Tenho em mim memórias que não são só minhas, são de uma geração e viver. Não se traduz noutros lugares. Pertencem onde crescemos. Onde sempre voltamos. 

Não é por sermos pequenos que somos menos. Quanto mais longe estou mais me apercebo da nossa grandeza de valores e da impossibilidade da adopção total a outros lugares. Sou cigana de alma, viajo e aprendo, amo os lugares e as pessoas. Todas elas me ficam tatuadas dentro. 
Mas a Casa, onde fica o nosso coração, essa há-de ser sempre a mesma. A minha terra. A minha gente.

Não é lamento. Tento perceber porque dou essa razão às minhas raízes que cada vez me são mais importantes. Não paramos para pensar nestas pequenas coisas tão naturais. São-nos garantidas quando aí estamos. Vivemo-las. Mas assim, aqui, tenho-as em mim sempre que sinto. Estão em mim como os meus sinais. É pele que se renova sempre que volto. E respiro.

E agora aqui, na américa do mundo, vejo-me grande, não porque estou cá, mas porque todas essas pequenas coisas me fazem crescer. Embora frágil, sou um todo maior que as partes que me dividem. Delicada gestalt. A coragem transformou-se em força e agora sou melhor.

Cá partilho vivências que me fazem diferente. Pela primeira vez esse diferente faz-me sentir bem. Orgulho de outra história. De gerações de trabalho e conquista. Muitos nem sabem nem sonham. E por isso sinto a responsabilidade de ensinar essas pitoresquidades tão nossas que espantam quem não sabe. Repito sotaques e explico expressões indecifráveis. Sorri-me o coração e penso no que nunca me importei antes. Num milissegundo reconforto-me com a sensação de casa e do que é ser quem sou. Já não tenho medo e digo-o.

Sou portuguesa e amo o meu país.

Dada a condição de estar longe, é uma estranha forma de vida. Mas todos os ais são meus. Falta-me conquistar o meu lugar aqui para poder dizer que consegui, mas continuo a lutar. Como todos os nossos passados. Sempre ouvi dizer que o que importa é a viagem. O que posso dizer é que essa viagem me está a dar o gozo que a vida pode ter. 

Mesmeriza-me, a existência. Por todas as boas e más passagens. O fado português acompanhar-me-á. Está-me no sangue. E que doce é. 

Até já.

Raquel Carrilho
Washington D.C.
Estados Unidos da América

Actualizado em ( Segunda, 27 Outubro 2014 11:52 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária