o riachense

Sexta,
18 de Outubro de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

“Tira-lhe o micro, tira-lhe o micro”, gritaram todos em uníssono

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
 
por Carlos Tomé

Tinha acabado de dar na telefonia do Central o Roberto Carlos, o António Calvário, a Lenita Gentil, o Demis Roussos e o Adamo, um lote dos melhores artistas da rádio, tv e disco. Já tinham dado, à hora do almoço, os Parodiantes de Lisboa dos irmãos Andrade, com o Patilhas & Ventoinha em lugar de destaque. Eram imperdíveis para quem quisesse ter uma certa graça no almoço ainda que o repasto pudesse não ter graça nenhuma. Só mais lá para o final da tarde haveria de dar Os Intocáveis, um programa do Rádio Clube Português no qual o Paulo Fernando ia partindo os discos que não prestavam ao mesmo tempo que dizia “este disco é intocável mas não é inquebrável” e pumba ouvia-se um barulho estridente do disco a partir-se. 
 
Lá mais para a noite quando se ligava a televisão, era mais que certo que ver e ouvir Procuro e Não te Encontro era a melhor forma de encontrar o Tony de Matos, enquanto o Artur Garcia  entrava pela Porta Secreta, logo a seguir ao Museu do Cinema do António Lopes Ribeiro, conhecido cineasta do regime, acompanhado ao piano pela “boa nôte” do maestro António Melo e pelas curtas do cinema mudo do Charlie Chaplin. Como era segunda-feira, a seguir ao jantar já o Central estava com lotação esgotada para ver o Carlos Cruz, Fialho Gouveia e Raul Solnado no Zip Zip. A malta delirava com as rábulas do Solnado mas só teve esse prazer durante sete meses que foi o tempo de duração do programa. 
 
O Pedro Meco e o Carlos Mota, rapazolas de pouca idade mas de grandes ideias, como a do baile da gravata, não perdiam um programa destes. E quando ele acabou andaram tempos infinitos a magicar como conseguiriam fazer em Riachos uma coisa parecida. Puxaram pelos neurónios, arregaçaram as mangas, que não eram meninos de ficar quietos, e deitaram mãos à obra. Badabada, foi o nome que deram à criança.
 
Arregimentaram outra malta da corda, convidaram os artistas de variedades da casa e organizaram um grandioso espectáculo na Casa do Povo. Para além de ser a primeira vez do Pedro Barroso na sua terra, o ponto alto foi a entrevista com João Serra, o grande cabo dos forcados de Riachos, um dos maiores do Ribatejo. António Júlio Arganil, o entrevistador de serviço com a sua irresistível Lacoste, registou para a história o depoimento emocionado do forcado das mil pegas. Mas o Badabada teve vida curta pois a PIDE acabou logo naquele dia com a brincadeira.
 
À tarde, quando o descapotável vermelho parou e dele saiu um gentleman elegante no seu fato de terylene, casaco branco e calças vermelhas, óculos escuros e caracóis negros ao vento, toda a gente arremelgou os olhos e abriu alas para o desconhecido entrar no Central. Até o Damásio que tinha parado o carro de mão com rodas e ensaiava o seu célebre assobio da Ponte do Rio Kway ficou mudo de repente. Só quando o indivíduo já no Café pediu um refresco de capilé e começou a cantar a Granada é que a malta percebeu que era o grande Victor da Mari` Marques, sobrinho do Carlos Coxo, agraciado com uma voz de ouro, conhecido na aldeia como o Joselito português e que se tinha há anos exilado em Lisboa a tratar de negócios na Lélé da Cuca, uma loja meio manhosa de roupa da moda no Terminal no Rossio. Foi um autêntico festival da canção.
 
Nesse mesmo dia, o melhor viola solo da região tinha comprado um microfone novo para o seu conjunto e estava ansioso para experimentar a sua qualidade. À noite, enquanto bebia o café com um cheirinho, o Abreu ia esperando pelo resto do grupo para o ensaio. Pouco depois apareceu o Luís Catrino, o primeiro organista no Farfisa, logo a seguir veio o Luís Mota, um baixo de categoria e o Pedro Pum, a maior esperança do concelho na arte de manejar as baquetas. Só depois apareceu o Zé Manel Passita a correr porque se tinha esquecido do ensaio, despassarado como era. O Ogiva era um conjunto musical de categoria, que competia em qualidade com o Nayr e o Control, mas valha a verdade que nenhum destes lhe chegava aos calcanhares. Nem lá perto. O Ogiva ensaiava todas as quintas-feiras numa garagem do Centro Paroquial porque aí os músicos podiam dar asas à sua arte à vara larga que ninguém os chateava. 
 
A esse ensaio foi assistir o Luís Sapo, o primeiro fã de uma lista enorme mas desconhecida de fãs, de tal modo era desconhecida que as almas maldosas até diziam à boca pequena que não era o primeiro mas sim o único. Luís Sapo era tão bom cantor que às vezes o Padre até o deixava cantar aos domingos na missa e que por isso agarrou a mania de que haveria de ser o vocalista do maior conjunto da região. Tanto insistiu em cantar que o Abreu lhe passou o micro novinho em folha, mas quando o cantor começou a debitar um êxito do Marco Paulo o ranho começou a escorrer-lhe pelo nariz de tal modo que os músicos gritaram todos em uníssono “tira-lhe o micro, tira-lhe o micro”. O ensaio foi tão intenso e criativo que ficou nos anais da história do conjunto. E embora o Luís Sapo não se tenha tornado vocalista do grupo, por mor da maldita constipação, criou, sem o saber, o maior êxito do Ogiva.
 
Actualizado em ( Segunda, 27 Outubro 2014 12:11 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária