o riachense

TerÁa,
25 de Junho de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Anda daí mais eu

Enviar por E-mail Vers√£o para impress√£o PDF
 
por Carlos Tomé

O tempo estrovantou. Prantou um xaile pelos ombros, saiu de casa e caminhou em passo acelerado at√© √† igreja. Se adrega a chover aparo-lhe as costas, disse para si. Passava em frente ao Central e ia sempre a falar, mesmo que fosse sozinha, talvez a pensar em voz alta ou a rezar a nossenhor. Por vezes ia acompanhada pela Concei√ß√£o Rito com quem fazia parelha nas rezas. A Em√≠lia Lopes Portelinha gostava muito de conversar, a sua caracter√≠stica particular juntamente com a claridade de esp√≠rito, a alegria de viver e a invej√°vel mem√≥ria. Mas era muito distra√≠da. Por vezes encontrava a Elisa Lopes e ambas punham a conversa e a amizade em dia. Mas naquele dia, quando passou ao Central ia muda que nem um eremita com voto de sil√™ncio. Encontrou a Em√≠lia Miola e bichanou-lhe o que a apoquentava. ‚Äú√í quechopa ando amaldi√ßoada se calhar por mor das rezas em falta, se adrega a querer orar a Deus h√° que Deus que me falta o ter√ßo, ando mesmo descoro√ßoada, a cigu√™ra pelo ter√ßo n√£o a perco, mas o ter√ßo deu sumi√ßo. At√£o quechopa diz-me l√° o que √© que eu hei-de fazer?‚ÄĚ perguntou a Em√≠lia Lopes √† Em√≠lia Miola que logo ali lhe passou a receita. Tinha perdido o norte a um ter√ßo e por isso precisava de o encontrar, quando n√£o a sua vida deixava de ter tarilho, ficava sem tarimbelhos, cirandava nela mas sem tino que se visse. Especialista das coisas dos feiti√ßos, do mau-olhado e do quebranto, a Em√≠lia Miola baixou a voz ‚Äúanda da√≠ mais eu‚ÄĚ e segredou-lhe o segredo da reza. Falaram √† socapa sobre o responso.¬†
 
Depois de rezar a ladainha, de botar umas lamparinas a arder em azeite e de repetir o ritual por tr√™s vezes, durante tr√™s semanas, eis que de s√ļbito aparece o ros√°rio. Como dizia a reza ‚Äúo que √© perdido √© achado e o que √© esquecido √© lembrado Santo Ant√≥nio bem aventurado‚ÄĚ. ¬†Afinal, estava mesmo ali √† m√£o de semear e nunca tinha dado por ele. Pendurado ao pesco√ßo o ter√ßo s√≥ pedia que lhe contassem as contas, mas com a distrac√ß√£o do costume a Em√≠lia Lopes nunca tinha dado f√© dele. Finalmente, o achado deu √† sua vida o tarilho de que precisava.
 
À noite, o João dos Casais Pinheiros chegava ao Central, bebia um Toddy e ajudava nalgumas coisas. O João era uma espécie de guarda dos Casais Pinheiros onde vivia sozinho. Nunca aprendeu a ler nem a escrever, era uma pessoa simples e gostava muito das gentes que frequentavam o Central e que eram como família. Também no Central o João gostava de se sentir guarda do Café. Cumprindo a sua missão, ao final da noite, fechava as portas e as janelas. 
 
Algumas vezes o João adormecia sentado a olhar para a televisão. E os rapazolas mais ousados logo engendravam uma maneira de meter um susto ao João. Eram muitas as artimanhas mas desta vez a coisa resumia-se a atar com uma guita as suas pernas à cadeira sem ele dar por isso enquanto passava pelas brasas. E assim foi. Alguém bateu com a tampa da arca dos gelados com tanta força que o João acordou espavorido e tentou começar a correr mas a guita não o deixou pelo que caiu no meio do Central com enorme estrondo. Catrapuz. A cara do João ficou completamente cheia de casca de arroz que eu espalhava no chão quando chovia. O João desapareceu num ápice e voltou logo de seguida brandindo um martelo de orelhas. O Central ficou vazio de repente temendo a sua reacção enervada. Mas o João aproveitou o ensejo simplesmente para fechar as janelas e trancar os trincos com a ajuda do perigoso martelo. Afinal já era meia-noite, estava na hora do Central fechar e o João cumpria, tão-somente, a sua missão de guarda, porque só assim a sua vida tinha tarilho.
 
Chegava ao Central de motorizada que acelerava até mais não, trazia sempre o boné de lado na cabeça, à tronga-mocha e por cima o capacete com as presilhas soltas. Atirava o capacete para o assento da Casal e entrava no Café com a fralda da camisa de fora e com o corpanzil a abanar como se fosse tocado por uma rabanada de vento. Dizia-se que a motorizada já tinha acartado mais de 50 hectolitros de vinho e que sabia o caminho de cor. Zé Heleno era o produtor do melhor melão da região e não escondia a ninguém que gostava de uma pinguinha de azeite. Uma pinguinha é uma forma de dizer porque a sua goela escoava toda a espécie de líquidos como um secador seca toda a humidade do milho. A sua sede era tanta que até o Dr. Moreira lhe tinha receitado andar com um garrafão de vinho pendurado ao pescoço. Mas o Zé Heleno gostava acima de tudo de estar com os amigos. Para ele a vida era uma festa, com os excessos naturais de uma festa. Se não fosse assim, com os festejos próprios da bebida e da alegria, a vida era sempre cinzenta. 
 
‚ÄúQuando estive na Holanda apanhei um dia uma grossura t√£o grande que n√£o fui capaz de subir a escada do pr√©dio e aqueles franci√ļs tiveram que me atar uma corda aos cornos e eram seis a puxar com toda a for√ßa e viram-se √† rasca para me arrastarem para cima‚ÄĚ dizia o Z√© Heleno enquanto fazia a parte que se assoava com todo o estardalha√ßo ao bon√©, amarfanhando-o todo e bufando baba e ranho. E, depois de beber uma imperial s√≥ de uma assentada, sa√≠a do Central ainda mais feliz. Para ele s√≥ assim a vida tinha tarilho.

Actualizado em ( Ter√ßa, 27 Janeiro 2015 23:13 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opini√£o

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, sen√£o concorro!

 

Jo√£o Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria