o riachense

Sexta,
18 de Outubro de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pedro Barroso

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Esta coisa complexa de viver

Amigos,

Não sei o que vem para aí em 2015 - ninguém sabe. Mas o que passei em 2014 deu-me uma condição diferente para prosseguir. E acrescentou-me dados para outro pensar, outro viver, outro sentir.

Perder o domínio de nós mesmos e criar dependências tão profundas como as que tive e sofri, ensinou-me que as coisas do viver devem estimar-se bem acima das frivolidades e valores efémeros que diariamente nos propõem.

Fiquei sem falar; desejei a morte; fiquei sem consciência; fiquei sem andar. Reaprender tudo isso foi um acto de insistência e de coragem que me servirão de paradigma para todo o futuro que ainda possa acalentar. Desejo a mesma força - que hoje me permite andar quilómetros - a todos os que das adversidades da vida retirem o lado pedagógico e epifânico desse Conhecimento.

Não é esoterismo - é a mais sincera realidade. É essa força, e só ela, que nos pode ajudar a superar a tanta nulidade que nos rodeia. E por isso devemos dar importância apenas ao que a mereça.

Perdi a paciência para as minúcias indagadas e perscrutativas do tostão. Perdi a tolerância a chatos, imbecis, teóricos da treta e comentadores orçamentistas, em geral. Valorizo hoje muito a vida e os amigos. Corto a direito quando sou incomodado por vendedores de banha da cobra; eles atacam na política, comércio, media, informação, bancos, seguros, etc. 

Valorizo a Arte e a Cultura como expoentes maiores do significado de existir. Valorizo a qualidade do que me sobra e a amizade dos que ainda ma saibam transmitir. Valorizo a memória dos momentos bons. A boca de todas as mulheres que amei e que beijei. Todos os versos que li, todas as pinturas que gostei. Todas as esculturas que me seduziram e clandestinamente afaguei.

Viver tem de ser uma orgia de sabores e de saberes. E nunca um estar amanuense e cívico, de manga-de-alpaca bem comportada, contabilizando lantejoulas e outras imundices da maledicência.

Viver tem que ter magia e sedução. Eu quero lá saber dos que não sabem apreciar um pôr-do-sol. Um poema. Uma melodia, uma paisagem. Um qualquer sabor cozinhado com amor, no forno a lenha dos avós.

Sou poeta, sou um deslocado no tempo e na história. Sim. Sou um homem de quinhentos; sem passaporte nem destino previsto. Mas é assim que acredito que valha a pena. 

Os dias devem ser azuis, mesmo os cinzentos. Porque dentro deles habita uma flor e um beijo. Uma descoberta e um novo despertar.

Só assim devemos viver. Com esse sentido maior de desfrute e da raiva de existir. Senão, amigos, estar vivo não valeria a pena. 

Só assim vos desejo Bom Ano 2015 - E todos os anos dos anos que hão-de vir!


Actualizado em ( Terça, 27 Janeiro 2015 23:20 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária