o riachense

Segunda,
25 de Junho de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Saiu uma ginja nos furos da Engrácia

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
 
por Carlos Tomé

Andei dias seguidos a ganhar coragem para entrar na loja e tirar um furo. Foi nesse dia. A Engrácia mais o seu buço amedrontava qualquer cachopo que entrasse ali com camisa de folhos, cabelo a brilhar de brilhantina, sovacos que embaçavam a patcholi e calças à boca-de-sino de alto lá com elas. Entrei mais nervoso que num exame. O buço dela fixou-se no meu que deixara crescer há meses sem sucesso visível e cuspiu bruscamente “diz lá o que é que queres?”. Tirei cinco furos. Três foram directamente parar ao vazio, no penúltimo saiu-me um pente e no último a jóia da coroa: uma ginja. Finalmente uma ginja, coisa inédita. Nem queria acreditar. Nunca tinha saído uma ginja nos furos da Engrácia. A Engrácia, mal refeita do acontecimento, fuzilou-me com o olhar e deitou mão a um copo que não era maior que um dedal mas que me pareceu do tamanho da praça de touros da Barquinha passou-o pelo alguidar de água choca e encheu-o com o néctar. Foi um acontecimento único. Uma experiência extraordinária. O néctar escorreu directamente da goela para o espírito e ascendeu comigo às nuvens. A minha primeira ginja aproximou-me dos homens a sério que emborcavam uma selha de uma vez sem pestanejar. Saí da loja da Engrácia em pleno Largo com as mãos nos bolsos e a tentar acertar o passo. O bafo a ginja era grandioso. E desejei que fosse eterno. Alguém se apercebeu, certamente pelo meu ar aparvalhado, de que algo de anormal se passara. A notícia espalhou-se pelo Largo como fogo em palha de palheiro e o inevitável aconteceu.

O Zé Negro, que se preparava para emborcar mais uma selha no Zé das Galinhas, quando soube da boa nova deitou a cabeça de fora e lançou o grito de guerra “lá vai boina” enquanto lançava a dita cuja em rodopio pelo ar. E pronto começou a guerra. Em menos de um fósforo o Largo encheu-se de gente. O Manuel Barroca espreitou à porta do Café Lezíria e foi a correr ver qual era o primo a quem tinha saído a ginja, porque o Barroca era primo de toda a gente, enquanto dizia para o Júlio Amado “ò Júlio toma aí conta do Café que eu vou ver o que se passa”; o Enxuto que já andava quase são há duas horas, graças a uma dieta alcoólica receitada pela Bruxa do Pego, voltou à mesma cegueira perguntando a toda a gente “onde é que tá a ginja onde é?”; o Quimbrão que tinha passado a noite ao relento numa valeta do Largo a curar uma má disposição por mor do último meio litro que lhe caiu mal, acordou mal humorado por causa da barulheira e rosnou “já não se pode dormir em paz”; o Zé Paula largou tudo e foi a toque de caixa para o Largo deixando a taberna entregue aos clientes que puseram de calhostras um pipo de vinho novo antes do taberneiro regressar; o Alberto Mocho que gostava pouco de confusões fechou de repente a porta do Café Ideal como se fosse um funeral a passar; o Joaquim Paloca atirou a malha do jogo do burro ao calhas acertando de raspão no Chico Cego que andava a distribuir os folhetos do Cinema Olímpia arriscado a ficar ainda mais cego; o Mira da farmácia, que tinha prometido a vinte e sete clientes só nesse dia que os remédios vinham na camioneta das seis, deixou o lagarto fugir do frasco de formol ao espreitar a confusão com esperança que os Claras já não fizessem essa carreira. Num ápice o Largo ficou repleto. O povo dava vivas de alegria. O furor foi tanto que até apareceu o Manuel Pacheco equipado de vermelho e com o cachecol do Benfica julgando que o glorioso já tinha ganho o campeonato e os benfiquistas comemoravam o feito, como haveriam de fazer quatro décadas depois no Marquês de Pombal.

A Engrácia esgotou os furos. E saiu de tudo menos mais ginjas. A revolta foi tal que a Engrácia foi apelidada de bruxa e arriscou-se a ser julgada pelo Santo Ofício e a ser queimada viva. O que valeu foi o discernimento do António Barrão ao lembrar que o vinho tinto era muito melhor que a ginja. E graças a essa evidência foi a debandada geral.

Na segunda-feira seguinte eu haveria de dar uso decente ao pente do furo da Engrácia, depois de passar o fim-de-semana a limar o cabelo cortado à tijela no Mudo. No Calhambeque, uma casa de venda de gasosas e sandes de mortadela e onde a malta ia ouvir na jukebox o In the Summertime dos Mungo Jerry e passava as tardes a jogar snooker e matraquilhos, em vez de aturar o Jacob e o Pipi Fonfon no Liceu Sá da Bandeira, consegui meter o estimado pente, ao qual retirei delicadamente os dentes, na ranhura das moedas de cinco escudos do jogo de matraquilhos. A medo, não fosse o zarolho dar pela marosca, o jogo lá vomitou cá para fora as 10 bolas que haveriam de fazer suar o jogador mais calmo. Claro que o desafio foi rápido porque as aulas já iam a meio, mas não tão veloz como o Vítor Gomes a descer na bolina a ladeira do Liceu até à estação dos comboios, a fugir do Clementino de avental, em sete minutos e doze segundos que ainda hoje é recorde em Santarém.

No Liceu o almoço era só futebol. Naquele dia, o Manuel João Quartilho, um verdadeiro artista da bola, pegou nela com os dois pés, passou-a por cima de três adversários que os deixou com torcicolos no pescoço, driblou quatro desgraçados que ficaram com os olhos tortos como se estivessem a olhar contra o governo e chutou-a directamente para a janela do laboratório de química com tanta força que derreteu os tubos de ensaio, dizimou as pipetas cheias de uma solução de peróxido de hidrogénio, dizimou o almofariz repleto de sulfato de sódio e derreteu o cautchou no Bico de Bunsen. A jogatana foi admirável, um feito iglantónico aplaudido por todos, pelo que nunca se percebeu por que razão o professor Licínio, o especialista da química, ficou à beira de um ataque de nervos, qual Heisenberg do Breaking Bad em fúria.

Cheguei à estação, na qual o Jaime Bruto ainda não tinha pintado o nome de Riachos, depois de passar por Vale de Figueira e Mato de Miranda. Ao entrar no Central olhei para a caixa dos furos da Regina e lembrei-me logo dos furos da Engrácia. E veio-me à boca, pela primeira vez, o verdadeiro sabor do dito popular “caiu que nem ginjas”.

Actualizado em ( Quarta, 11 Março 2015 10:17 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária