o riachense

Sexta,
30 de Setembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pedro Barroso

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

RTP. Memória?

Este é um sítio de memórias? Pois bem. Nota prévia: quando escrevo isto foi ontem que me revi. Um concerto na RTP Memória, no Auditório Europa (que já não existe, claro...), repleto de gente e com muitos riachenses que reconheci. 

A RTP de vez em quando relembra e descobre estas relíquias. Então, foi dia de lembrar e olhar no tempo. Rever o Veríssimo, que foi meu convidado. E hoje, por todas as terras onde fui neste nosso planeta, muitas pessoas olhavam para mim com um olhar de cumplicidade e de saudade ao mesmo tempo. 

Uns manifestavam-se outros sorriam apenas. Sim. Passaram 31 anos daquele Pedro Barroso de ontem. Hoje é outro, seguramente mais maduro, menos explosivo, mais sentado.

Mas de facto, apesar das poucas ou nenhumas condições que nos davam para ensaios, naquele tempo havia iniciativa e produção de programas musicais nacionais. 

A RTP convidava autores portugueses para exporem e mostrarem a sua obra. Fazia produção própria. Reunia-se uma orquestra e ia-se para a frente. Num único dia, alinhavam-se temas, ensaiava-se luz e som, fazia-se tudo. Era um susto, mas... Olha, íamos para a frente e saía sempre qualquer coisa!

E - mesmo que pouco, segundo lembro - pagava-se alguma coisa aos intervenientes. Hoje quando há convites, são sempre para actuar à borla, porque é "promocional" aparecer na TV! O artista supostamente ainda deve agradecer que se lembrem dele e curvar a cerviz. 

Ora. Nesta altura do campeonato é promocional porquê? Eu quero lá saber. Não quero bombear já, nem cavalgar ondas que não são minhas. Aprendi a turbação e a serenidade ao mesmo tempo. A inquietação e a reflexão. Aprendi as artes dos homens e as suas fraquezas. Os pequenos deuses efémeros e os valores de sempre.

Aprendi a ter outro relógio do Tempo. 

E tenho produzido e feito temas e depoimentos que retratam esse meu modo de entender a arte e a cultura; tão diferente do consumismo pateta que hoje tanto se vive e recomenda.

Verifico com tristeza que quase não passo nem na rádio nem na TV. A primeira, por critérios que ninguém sabe, ligados a uma política de playlists baseada nas novidades e lançamentos recentes e a uma indisfarçável hegemonia de algumas editoras; a outra por já não produzir concertos em português há muito tempo. Aproveita quando muito, os que fazemos, se estiver atenta. Ou nem isso. 

Supostamente, é tudo uma guerra de audiências. Não sei. Mas programas de música - como uma vez me disse o inculto Almerindo – “não dão público”. E era ele quem mandava na RTP. Ponto. Suponho que ainda por lá se pense assim.

Resta-me no facebook e no youtube - esses novos espaços dados pela tecnologia - ainda estar patente e circular o testemunho vivo da minha obra. Recente e mais antiga. E a reacção de espanto e apoio de tanta gente que neles me dá resposta e estimulo. Milhares.

E resta também o discreto orgulho, aqui para nós, de ver que estou muito melhor acompanhado no grupo dos que NÃO passam nos média do que estaria no grupo dos que lá aparecem a toda a hora.

Há luto pela qualidade neste país. Talvez desconfiança. Autismo. E falta de memória.

Ontem confirmei: caramba, já ando nisto há tanto tempo! Tantos amigos, tantos anos de música, tanta estrada! O que faço, cada vez mais será para tentar ficar e ser intemporal. Não me interessam as modas. Portanto fico aqui, com os amigos. E com a minha consciência. 

Um dia, anos 2000, disse-me um grande senhor da comunicação da altura - que hoje, por sinal, está preso:

 –“Oh Pedro! Tu podias ter a carreira que quisesses mas tiveste sempre a mania de viver lá por esses sítios e assim…”

Pois. Passe o desabafo. Desculpem qualquer coisinha. Eu não disse nada disto, claro. 

E gosto muito de estar aqui.

Actualizado em ( Segunda, 16 Março 2015 11:58 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária