o riachense

Quinta,
15 de Novembro de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

João Moreira

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

De médico e de louco

Anti - bom senso

O José e a Rita são um casal dos seus 30 e alguns anos. Não os conheço, não são meus utentes, motivos de força maior levaram-nos a recorrer a mim. Acabaram de ser pais de uma menina linda e bem disposta e marcaram a consulta para que pudesse avaliar a bebé e planear os cuidados à mãe, como mandam os bons livros médicos.

Mãe e bebé estão de perfeita saúde. Os pais são adequados e afectuosos nos cuidados à pequenita. A conversa segue rápida e eles, pais pela segunda vez, pouco parecem precisar da minha ajuda. Preparo-me para terminar a consulta quando lhes pergunto se sabem quais as vacinas para além do Plano Nacional de Vacinação (PNV) adequadas à bebé, os preços e formas de administração. Quando recebo como resposta que não iriam vacinar a filha, julgo que se referem às vacinas extra – PNV, mas rapidamente percebo que não têm intenção de deixar qualquer vacina aproximar-se dela.

Engulo em seco, tento por um segundo retorquir e explicar a ciência que suporta a vacinação. Não tenho o direito, a intenção ou sequer a vontade de questionar o amor ou a dedicação de um pai pela sua filha, mas a ciência não se presta a opiniões e não necessita de “fé”, é verdade quer se acredite nela ou não. É uma causa perdida, como fazem questão de esclarecer. Logo eu que detesto causas perdidas.

É pouco profissional avançar para um pai de dedo em riste e dizer-lhe que a minha obrigação é para com a bebé, em não deixar que a prejudiquem travestindo opções culturais como pseudociência; que a ideia de que todos os médicos e enfermeiros do Mundo estão “no bolso” da indústria farmacêutica é ridícula; que o guru do movimento anti-vacinas foi expulso pela Ordem dos Médicos inglesa por (entre várias outras acusações) manipular dados de um estudo na tentativa de criar suspeitas acerca de uma ligação entre a vacina do sarampo e o autismo.

Não é profissional continuar de dedo em riste enquanto explico que numa ilha onde morem 100 pessoas e 99 estejam vacinadas, em teoria não existiria nenhum caso de doença, porque não haveria ninguém para contagiar o indivíduo não vacinado – o que os ingleses chamam “imunidade de manada”; que é este mecanismo que protege as crianças ainda não vacinadas, os doentes que não podem vacinar-se (por alergia a um componente, por exemplo), os que têm compromisso do sistema imunitário ou simplesmente aqueles em que a vacina não actue; que não vacinar coloca toda a gente em risco.

Acho pouco profissional, de dedo em riste, lembrar que graças ao crescimento na popularidade de movimentos anti-vacinas em países desenvolvidos como os Estados Unidos da América, voltaram a existir surtos de sarampo ou tosse convulsa, doenças mais complicadas do que parecem, como há décadas não se via; ou que a Austrália vai passar a negar abono de família e benefícios fiscais a famílias que se neguem a vacinar as suas crianças, e que alguns países estudam mesmo tornar a vacinação obrigatória.

Tudo isto é pouco profissional. Por isso não o fiz, não o faço e não o farei. Mas ó meu Deus, como me apetecia! Se soubessem como me apetecia...


Actualizado em ( Sexta, 15 Maio 2015 09:44 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária