o riachense

Domingo,
18 de Agosto de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

António Mário Lopes dos Santos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Europeus sem Europa

Para quem sempre identificou a Europa com a Cultura e o Humanismo, é difícil perceber que países são estes, tão próximos dos guetos de Varsóvia e dos campos de concentração nazis. Uma Europa que se define pelo mercado e não pelas pessoas, a quem interessa sobretudo a saúde e a riqueza dos banqueiros a troco da exploração, do servilismo e do medo das populações. 

A reacção sobre a Grécia, duma Comissão Europeia, ao ameaçá-la (uma vez mais) de lhe fechar as fronteiras, para impedir a passagem, através deste país, das correntes de refugiados da África e do Médio Oriente, enoja. Que deve fazer a Grécia: afundar os barcos? Impedi-los de acostar às ilhas e território grego? 

 Uma Europa que se fecha dentro das fronteiras, subtrai dos dedos e dos bolsos dos refugiados os escassos bens que conseguiram transportar na sua fuga à guerra, ao ódio, o que a diferencia dos roubos nazis dos bens dos judeus (e não só) na 2ª guerra Mundial? 

O racismo tem proliferado, no Norte, no Centro e no Leste europeus, como uma vaga monstruosa, num regresso à primeira metade do século XX, como se o colonialismo com que enriqueceram os seus capitalistas, industriais, financeiros, políticos (e não só), se construíram as suas multinacionais, não fosse a causa fundamental do radicalismo fundamentalista árabe! A política de genocídio perpetrada pelos Estados Unidos no Iraque, na Síria, no Líbano, em defesa dos interesses das empresas petrolíferas e dos negócios associados ao tráfico de armas, com o apoio dos interesses financeiros europeus, protegendo o fundamentalismo radicalista judaico e os xeques fundamentalistas da Arábia Saudita, que assentam o impudor do seu governo anti-liberal nas reservas de petróleo do seu subsolo, pode ser encarada como uma conquista civilizacional da democracia?

O Mediterrâneo, ao longo dos séculos, foi sempre O Eldorado da antiguidade. Através dele, avançaram, o comércio, os exércitos, as religiões. Mas o seu cofre aquático é um túmulo de povos e civilizações!

Dominá-lo, foi sempre o sonho duma Europa, que, através dele, rapinou, matou, traficou, escravizou, numa mão a cruz, na outra a espada. No século XX, após a 2ª Guerra Mundial, cedeu a sua defesa À Nato e aos porta-aviões americanos, símbolos de que Hiroxima e Nagasaqui podem ser repetidos em qualquer continente. Os interesses das multinacionais americanas na África e no Médio Oriente, impuseram à Europa empobrecida a invasão do Iraque, como no passado a do Afeganistão, ou o uso do napalm na do Vietnam. 

Nos últimos anos, a vida humana, nessas regiões, deixou de ter valor. Fazem parte das estatísticas trágicas que enchem os estudos das Comissões especializadas das Nações Unidas, onde os números e as percentagens disfarçam a sua origem: o sofrimento das populações, obrigadas à fuga, ante a violência que caiu sobre as suas pessoas e lares, transformando-os em párias esfomeados, agredidos, violentados, escarnecidos e esquecidos.

Envergonha-me esta Europa dos resíduos de lixo radioactivo sob a capa turística dos monumentos, das artes, do património, do progresso científico e tecnológico E se pessoalmente a não temo, preocupa-me que futuro é permitido aos filhos e netos dos seus povos, hoje encostados à parede do medo e do terror, com governantes a fazerem renascer nacionalismos pré-ditatoriais. São eles, os vendedores das pátrias e dos povos, os homens sem nome e sem rosto acima das leis que fabricam mas não cumprem, os vendilhões de todos os templos, em nome sempre da única lei, religião, pátria, que defendem - o seu bolso.

Esta Europa não pode continuar, não continuará, acredito, por muito tempo. Ruiu, quando transformou a solidariedade em chicote, a democracia em privilégios duma minoria, a ética em corrupção e compadrio, a política em algo de inenarrável, onde os direitos do homem e do cidadão foram transformados em nome da ganância e da avareza, com o controlo dos meios de informação, em guetos nacionalistas onde a suspeita e a histeria alastram como os perigos reais do aquecimento global.

As quintas colunas do lapelismo emblemazado, herdeiras dos negreiros de outrora, protegem-se, bajulando os burocratas de Bruxelas, viciam-se nas drogas do poder absoluto que lhes advém do controlo das regras da economia, política, religião, sociedade.

É uma outra Europa, diferente da das populações dos países, que nada tem com os seus anseios e necessidades. 

Nós, os condenados da terra, os refugiados dentro das nossas fronteiras, os solidários das civilizações, os tratados como gente inferior e dispensável, somos outra coisa - Europeus doutra Europa. Mais justa, mais igualitária, mais fraterna, mais ética. Uma Europa que reponha de novo o que tem sido destruído pela burocracia e a política dos interesses - a democracia.

4 de Fevereiro de 2016
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

António Mário escreve sempre às quintas-feiras em www.oriachense.pt

Os outros artigos de António Mário Santos 

Actualizado em ( Segunda, 08 Fevereiro 2016 11:19 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária