o riachense

Sbado,
20 de Julho de 2019
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Poluição da Boa Água continua impune e sem fim à vista

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Com as margens limpas, a poluição fica mais à vista. Fotografia tirada no dia 19 de Novembro

A poluição nas linhas de água que atravessam o Ribatejo, em particular o Tejo e o Almonda, tem sido um dos temas questionados ao governo na Assembleia da República, quer em termos de actuação ministerial quer quanto aos recursos para a combater contemplados no Orçamento de Estado.

Pelo menos os deputados Hugo Costa (PS) e Duarte Marques (PSD) levantaram recentemente estas questões, no âmbito da proposta de Orçamento, defendendo ambos maiores recursos quer para acções de despoluição quer para permitir a modernização das empresas cuja actividade constituir uma fonte poluidora.
Da bancada socialista, os deputados eleitos por Santarém colocaram algumas questões no mesmo sentido, dirigidas particularmente ao Ministério do Ambiente e à sua inércia quanto ao problema da ribeira da Boa Água, sem que até agora se tenha conhecimento de novas acções por parte da tutela.

Câmara mantém o não reconhecimento do interesse público à Fabrióleo e limpa parte da ribeira
A Câmara de Torres Novas manteve a sua recusa no reconhecimento de interesse público municipal à Fabrióleo, empresa sobre a qual recaem as acusações de ser a principal poluidora da Ribeira da Boa Água. Este reconhecimento municipal é essencial para a regularização das situações ilegais que têm sido detectadas na unidade fabril, ao abrigo de condições legislativas excepcionais que permitem regularizar o estatuto das empresas que operam sem o devido licenciamento ambiental.
A autarquia já tinha tomado esta decisão em Dezembro do ano passado, perante requerimento da Fabrióleo para beneficiar daquela legislação, mas perante uma conduta reiterada de ilegalidades e do que foi considerado como atitude de “má-fé”, a Assembleia Municipal decidiu por unanimidade recusar essa declaração, decisão que agora foi reafirmada pela Câmara Municipal.
Entretanto, e cumprindo um compromisso público do presidente Pedro Ferreira, a Câmara procedeu já à limpeza das margens da ribeira, num troço de alguns quilómetros, embora esta intervenção pouco tenha aliviado os cheiros e o mau aspecto que continuam a ser a imagem de marca desta linha de água.
speremos para ver! 
Actualizado em ( Quinta, 24 Novembro 2016 12:54 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária