o riachense

Terça,
04 de Outubro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Carlos Gameiro

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Mui garbosa vila de Riachos, 26 de Setembro de 2009

"A culpa é dos políticos. Com o dinheiro que ganham, deviam ter inteligência para pensar que a melhor altura para marcar eleições é no pino do Inverno, pois toda a gente sabe que a abstenção anda sempre sete ou oito pontos acima do valor máximo da temperatura".

     Querido diário
       
Hoje foi um dia de cuidada reflexão e por isso não se passou grande coisa. Ainda assim, muito se tem passado, e palpita-me que muito se passará amanhã, e foi sobre isso que reflecti cuidadosamente. Como alguns portugueses bem sabem, amanhã será dia de eleições, mote suficiente para suscitar previsões, dúvidas, algumas surpresas e certezas em igual número. Amanhã elegeremos (alguns de nós, pelo menos) um novo Governo. E desconfio, pelo que conheço dos portugueses, que é capaz de ser o mesmo que já lá está. Desconfio também, que mesmo que não fique o que lá está o que vier não há-de ser muito diferente. É a velha história das moscas e da sua companheira preferida. De uma coisa tenho a certeza – todos os partidos alcançarão uma grande vitória.
Outra certeza que tenho (vamos lá a ver se me não engano) é a de que pela primeira vez na história deste país a escolha dos portugueses - os tais três ou quatro - dependerá muito mais da performance dos candidatos em programas (bons, muito bons) de humor e documentários de carácter intimista, estilo revista cor de rosa, do que da sua capacidade argumentativa em debates políticos. Assim como assim, palhaçada por palhaçada…
Mas apesar de tudo a malta vai votar. Alguns, claro. Os outros vão dar corpo a mais uma surpresa, ou melhor, duas. Amanhã, lá por volta do sol-posto, quando estiverem a chegar a casa, de geleira e guarda-sol às costas, serão surpreendidos com a estranhíssima imagem do primeiro-ministro há uma data de anos Sócrates a festejar o facto de ser… primeiro-ministro. E então constatarão, com ainda maior surpresa, que foi dia de eleições e ninguém os avisou. A culpa é dos políticos. Com o dinheiro que ganham, deviam ter inteligência para pensar que a melhor altura para marcar eleições é no pino do Inverno, pois toda a gente sabe que a abstenção anda sempre sete ou oito pontos acima do valor máximo da temperatura. Será difícil perceber isto?! Não faz mal, não hão-de faltar oportunidades. E se as coisas começarem a correr mal, se calhar mais do que as que precisaríamos? E se as coisas começarem a correr mesmo, mesmo mal, muito menos do que as que gostaríamos?
Não sei, não sei como vai ser, nem amanhã nem depois. O que vou sabendo e aprendendo, é que cada vez há mais apenas dois tipos de portugueses: de um lado os que vão assumindo a posição e tentam descontrair, do outro os que começam a sentir dificuldade em sentar-se…

Post scriptum: todas as ideias expressas neste texto são, obviamente, pura fantasia, uma vez que nenhuma delas poderia ter sido escrita antes do dia das eleições.

Actualizado em ( Terça, 13 Outubro 2009 23:16 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária