o riachense

SŠbado,
30 de Setembro de 2023
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Enviar por E-mail Vers√£o para impress√£o PDF

AO CORRER DA PENA

N√£o √© f√°cil emitir actualmente opini√Ķes sobre os pol√≠ticos. Principalmente os que se julgam intoc√°veis, apesar das sistem√°ticas asneiras que praticam no exerc√≠cio das suas actividades. Sob pena de n√£o se renovar o contrato ou enviar o prevaricador para o manic√≥mio. No m√≠nimo.
Temos o mau h√°bito de p√īr os interesses pessoais e partid√°rios √† frente de tudo e de todos. Em regra para defender o tacho. Esquecendo que dev√≠amos cerrar fileiras na luta contra a inseguran√ßa, o desemprego, a viol√™ncia e o apoio aos mais desprotegidos. O que se vai gastar com obras megal√≥manas como o t√£o falado TGV, contando com as ‚Äúderrapagens‚ÄĚ da ordem, talvez desse para modernizar e tornar mais eficientes as for√ßas de seguran√ßa. E tamb√©m para se constru√≠rem sedes condignas para algumas Juntas de Freguesia, nomeadamente em Barcelos, onde os respons√°veis despacham nas suas pr√≥prias arrecada√ß√Ķes ou nas suas viaturas. E ainda era capaz de sobrar algum para¬† evitar o congelamento dos ordenados e o inevit√°vel aumento de impostos. E por a√≠ adiante.
O futebol continua a fazer das suas. Contrastando com o civismo dos presidentes sentados cordatamente lado a lado, ‚Äď o que se enaltece e apoia, ‚Äď alguns elementos das claques teimam em comportar-se duma forma indigna, com atitudes nada civilizadas. A ajudar a festa, a√≠ est√£o alguns agentes desportivos a distribuir publicamente improp√©rios e sopapos. Claro que os √°rbitros √© que pagam sempre as favas.
N√£o obstante as provid√™ncias cautelares para - bem ou mal - impedir a publica√ß√£o de certas escutas telef√≥nicas, as not√≠cias que colam o Governo ao controle da Comunica√ß√£o Social continuam a sair √†s catadupas. Sem que nenhuma entidade com responsabilidades na defesa da Democracia venha a terreiro p√īr ordem na casa. Ou por impedimento legal ou por inoper√Ęncia
Todos somos iguais perante a lei. Só que uns são mais iguais do que outros.
E, pelos vistos,  já que as providências cautelares dificilmente são entregues aos respectivos destinatários, resta-nos esperar que a Providência Divina se encarregue de nos tirar deste atoleiro.  

Actualizado em ( Quinta, 27 Janeiro 2011 15:33 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opini√£o

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, sen√£o concorro!

 

Jo√£o Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria
Faixa publicit√°ria