o riachense

Quarta,
30 de Novembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Luís Grácio

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Planos de Pormenor, Planos Directores Municipais e Afins…


Como pensar, planear a cidade e nomeadamente o seu crescimento urbanístico harmonioso, quando não há, como no presente, crescimento económico nem demográfico?
Esta que deveria ser uma das primeiras preocupações a que todos os responsáveis autárquicos deveriam procurar dar resposta, tendo sempre como divisa o que determina o respectivo Plano Director Municipal (PDM), acaba quase sempre por ser atropelada, relegada para o esquecimento, por força de vicissitudes várias e diversos e poderosos interesses, as mais das vezes privados, quando deveriam ser os interesses colectivos a orientar a acção dos responsáveis autárquicos.
Quando nos deveríamos preocupar com a consolidação da malha urbanizada e da recuperação das habitações degradas, com verdadeiros planos de pormenor de recuperação urbanística, que devolvam vida ao centro das cidades. Em particular num país em que não abundam os recursos financeiros, o que vemos?
O que vemos, são projectos, que a serem concretizados, dariam para alojar três ou quatro vezes a população de Portugal.
O município do Entroncamento, neste particular, não foge à regra. Ainda na última assembleia municipal foi aprovado um novo Plano de Pormenor (Plano de pormenor do Formigão), que viola claramente o estipulado em PDM.
Esta prática não é nova. Já anteriormente, um outro Plano de Pormenor, havia inflacionado de forma verdadeiramente escandalosa um pré-acordo estabelecido entre a autarquia e o proprietário da fábrica de vinagres instalada por debaixo do viaduto Eugénio Dias Poitout, o qual previa a construção de 236 fogos e 31 estabelecimentos comerciais, acabando o Plano de Pormenor por consentir 331 fogos, muitos mais do que previa o próprio protocolo e mais 171 do que permitiria o PDM.   
A actual desanexação duma parcela de 16 hectares da Reserva Agrícola Nacional (RAN) despreza a existência de áreas disponíveis para construção na malha urbana da cidade. Quando deveríamos ter como prioridade a sua consolidação, o que vemos é o apoio a novos projectos que alargam injustificadamente o perímetro urbano, nem que isso leve a violar descaradamente o PDM e coloque injustificadamente a saque a RAN.
Com esta acção premeia-se a especulação imobiliária. A uns sai a “taluda”, aos outros nem a “terminação”. Que estarão a pensar os restantes proprietários do que resta da RAN e da Reserva Ecológica Nacional (REN)?
A actuação íntegra por parte dos poderes públicos seria a expropriação, pelo justo valor (caso se justificasse o alargamento do perímetro urbano, por necessidades imperiosas de oferta de habitação à população), e então a elaboração de um Plano de Pormenor seria tanto mais eficaz quanto respondesse à iminência de investimentos, caso contrário o Plano de Pormenor comprometeria a perequação, situação sine qua non que deve nortear a acção de autarcas isentos e responsáveis.  
Compreende-se o incómodo que a maioria PSD na Assembleia Municipal do Entroncamento sente quando é confrontada com a incongruência da sua proposta. O desdém com que reagiram às críticas da oposição, mais não pretende do que esconder o seu apoio à especulação. A sua argumentação tem perna curta, pois depreende-se que convivem bem com a especulação e o oportunismo económico.
Havemos de voltar a estes temas, pois o actual PDM está há aproximadamente 9 anos em fase de revisão e muito há a escrever sobre Plano de Pormenor, PDM e afins. O episódio que aqui demos nota é somente mais um no percurso atribulado que teremos de percorrer na procura colectiva da construção de uma cidade harmoniosa, integradora e ambientalmente equilibrada.

Actualizado em ( Quarta, 17 Março 2010 16:09 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária