o riachense

Quarta,
30 de Novembro de 2022
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Anabela Cavalheiro

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Há madrugadas que ainda faltam cumprir.
 Somos os homens e as mulheres da madrugada de Abril. Somos dos que o fizeram e dos que o viram fazer. Estivemos lá nesse tempo de convulsão e salto em frente, como outros grandes que marcaram a nossa História: 1143, o 1º de Dezembro de 1640, 5 de Outubro de 1910. Na nossa história pessoal, há um antes e um depois, porque esta é a grande data da nossa época e da nossa história recente enquanto Povo.
Hoje nas nossas escolas e nas nossas comunidades esses valores são lembrados e ensinados, Alegria, Fraternidade, Igualdade, Liberdade, por isso cabe-nos também a nós todos, não só ensiná-los mas vivê-los.
Contudo é difícil pensar em Alegria quando o fantasma do desemprego espreita à janela ou entra pela porta de muitos lares - só no Entroncamento, por exemplo, há perto de 800 desempregados, um drama social que atinge milhares de pessoas. É difícil pensar em Alegria quando se conjuga na primeira pessoa o verbo diminuir - nos salários, nas deduções com a educação e a saúde, enquanto se multiplica o valor do combustível, da conta do supermercado...
É difícil pensar em Fraternidade, quando o chamado Programa de Estabilidade e Crescimento prevê a privatização de serviços desde sempre públicos, como a ferrovia e os CTT, essenciais para garantir as comunicações no conjunto do território e a igualdade de acesso nas regiões afastadas dos grandes centros.
É difícil pensar em Igualdade, quando decorre o centenário sobre o Dia Internacional da Mulher, mas as mulheres, apesar de serem mais escolarizadas, continuam a aceder menos aos postos mais altos dos quadros nas empresas e a serem discriminadas. De acordo com Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, em 2008 a remuneração média de uma mulher com escolaridade “inferior ao 1.º ciclo” correspondia a 81,2% da do homem, com o mesmo nível de ensino, e uma mulher com doutoramento recebia apenas o correspondente a 71,8% do recebido por um homem com as mesmas habilitações.
É difícil pensar em Liberdade, quando insidiosamente se procura calar as vozes mais incómodas que se atrevem a noticiar aspectos que não convém virem a público.
Contudo Abril resiste e está aqui, presente e vivo na alma de cada um para sentir a Alegria, por ver que o povo ainda sabe sair à rua quando os seus direitos são postos em causa; a Fraternidade na sociedade civil que está viva e de boa saúde: nas inúmeras associações culturais e desportivas e nos movimentos dos trabalhadores. Está viva para anonimamente se juntar e Limpar Portugal, na alegria de ver o esforço conjunto dar frutos.
A Igualdade também, no direito à participação na coisa pública e no acesso aos estudos e finalmente, a Liberdade para, enquanto povo, sermos senhores do nosso destino e responsáveis pela escolha das nossas decisões, responsáveis pelo uso que simbolicamente damos às nossas mãos como tão bem diz Manuel Alegre, o poeta que em tantas circunstâncias soube – e sabe! – interpretar as mais fundas aspirações do nosso povo
De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.
Só posso fazer votos de que a memória não nos atraiçoe, porque há madrugadas que ainda faltam cumprir.
Viva o 25 de Abril
Actualizado em ( Quinta, 29 Abril 2010 14:07 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária