o riachense

SŠbado,
21 de Outubro de 2017
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

M√°ria Pombo

Enviar por E-mail Vers√£o para impress√£o PDF

Destino

Sou ainda tenra nestas coisas da opini√£o. Leio umas coisas, procuro outras, penso em todas elas.
Não gosto de ler, sobre um autor, sempre os mesmos temas, nem sempre as mesmas características na escrita.
Enquanto ‚Äúcriadora‚ÄĚ de textos, tamb√©m n√£o gosto de seguir essa linha. Gosto de experimentar, de descobrir, de me atrever‚Ķ
O que proponho, hoje, é um exercício reflexivo.
Ao longo dos tempos, tenho-me perguntado acerca de imensas coisas. Coisas banais do dia-a-dia. √Č no que d√° ser curiosa e pensante, por natureza.
Destino… A palavra que proponho é esta.
Vou ao dicion√°rio e encontro v√°rias defini√ß√Ķes:
‚Äú 1. Combina√ß√£o de circunst√Ęncias ou de acontecimentos que influem de um modo inelut√°vel. = FADO, FORTUNA, SINA, SORTE.
2. Situação resultante dessa combinação.
3. Emprego, aplicação.
4. Fatalidade.
5. Direcção!
6. Lugar a que se dirige algu√©m ou √© dirigida alguma coisa.‚ÄĚ
E pergunto: mas em que é que tudo isto se traduz? Existe, de facto, destino?
Eu n√£o posso ser o que quiser, independentemente de estar escrito em algum lugar o que quer que seja?
Sempre acreditei que n√£o, n√£o existiria.
Hoje tenho d√ļvidas, da√≠ a proposta deste exerc√≠cio.
Sempre julguei que cada um faz as pr√≥prias escolhas e s√£o essas que conduzem a tudo o resto. Hoje a ideia que tenho √© que h√°, ou poder√° haver, um fundamento para as op√ß√Ķes que tomamos. E isto sem base religiosa nem teorias de algibeira‚Ķ
O destino n√£o √© determin√°vel, dado que a √ļnica coisa que temos de certo √© que todos um dia nascemos e um dia iremos morrer. √Č esse o destino, comum a todos por sinal.
Acontece que as experiências que tenho tido, ao longo dos anos, revelam que há de facto um sentido.
Há a percepção de que posso, podemos, estar num lugar e ter a certeza ou a noção de que esse lugar não é o meu, o nosso. Então o destino será mudar, ou será ter vivido aquela experiência?
Deixo a pergunta em aberto, aguardando as respostas.

 

Actualizado em ( Quinta, 21 Outubro 2010 09:29 )  

Opini√£o

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, sen√£o concorro!

 

Jo√£o Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?