o riachense

Quarta,
01 de Fevereiro de 2023
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

Pré-época revelou potencial e muito trabalho pela frente

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Equipa do Atlético ganha forma

A pré-época dos seniores do Atlético poderá não ter corrido como o desejado, mas revelou um grupo de jogadores abnegados, aplicados e com muito potencial por explorar. Do que se viu nos jogos de preparação disputados, os futebolistas revelaram capacidades individuais e muita margem de progressão.

Mas o trabalho que o treinador, António Canhoto, tem pela frente até conseguir uma equipa produtiva e a mostrar bom futebol, é ainda muito.
Mas vamos por partes: É sabido que o plantel da época passada foi totalmente esfrangalhado e dos jogadores habitualmente titulares nenhum ficou em Riachos. A Comissão Administrativa meteu mão à obra e desencantou um plantel à base de rapaziada nova misturada com a experiência de alguns, e entregou o grupo a António Canhoto, um treinador rodado nas classes jovens mas sem qualquer experiência neste patamar do futebol (3ª divisão nacional), sem que isto lhe retire quaisquer méritos ou valor como técnico.
É preciso agora fazer uma equipa, que funcione no seu todo e não seja apenas a soma dos seus valores individuais, por muito talento que tenham. E isso leva tempo. Mecanizar jogadas, sincronizar esforços e traduzir isso em bom futebol e bons resultados, não é coisa que se consiga de um dia para outro. Há pois muito trabalho que fazer durante a semana, para que aos domingos os adeptos fiquem satisfeitos com o que vêem.

Jogo com o Monsanto mostra fragilidades
No jogo de apresentação, frente ao Monsanto, da 2ª divisão nacional, os alvi-negros deixaram vir ao de cima algumas fragilidades que podem comprometer o desempenho da equipa nos jogos a sério que começam já domingo que vem.
A equipa titular não contou com a presença do centro-campista Telmo, nem com o central Gameiro, os dois jogadores mais experientes do plantel, uma limitação que condicionou de algum modo o desempenho do grupo. Já agora, registe-se o onze titular: Ricardo; Milú, Diogo Mateus, Tiago Godinho, Rosa, Tiago Prates, Pedro Nobre, João Lourenço, Marco Alemão, João António e Daniel Pires.
A eloquência do resultado (0-4) mostra que algo está incompleto na turma riachense, se bem que a maior capacidade da equipa do Monsanto também não precise de ser anunciada.
Uma frangalhada do guardião Ricardo, num livre directo do ex-riachense Bruno Lemos, seguida de um auto-golo, comprometeram desde logo o resultado, mas o que se viu foi uma equipa alvi-negra a jogar a espaços, a conseguir construir alguns lances de perigo, não muitos, e a ser totalmente ineficaz perante um adversário de maior poderio físico e técnico.
A defesa parece ser sector capaz de se aguentar, mas a dificuldade em sair a jogar foi notória e as trocas de bolas também não saíram como pretendido.
A táctica montada pelo treinador, muito sobre a defesa e procurando explorar o contra-ataque rápido, pode não ser a melhor, pois cria uma pressão constante na área e em algum momento surge a falha que se converte em golo do adversário.
Depois, àquele meio-campo falta qualquer coisa, senão um criativo, pelo menos um coordenador, um “patrão”, que consiga ler bem o jogo e lançar o ataque, onde os jovens mais rápidos poderão fazer das suas, se forem bem municiados por um meio-campo seguro e produtivo.
Poderá ser Telmo essa arma? Pode ser que sim, apesar da “lentidão” dos seus 35 anos. Pedro Nobre, como se viu, é que não faz essas funções a contento, apesar de toda a sua voluntariedade e empenho. É jogador talhado para outros afazeres, porventura mais rentáveis e mais úteis à equipa.
Na frente, parece haver jogadores para fazer melhor, mas dentro da área, nota-se a falta de um ponta-de-lança de raiz, um “matador”.
As mexidas na equipa, não alteraram grande coisa no cariz do jogo, mas mostraram, que os suplentes estão à altura dos titulares, pelo menos neste jogo.

Jogos de preparação
Eléctrico-Atl. Riachense, 1-1 (golo de Daniel Pires)
Atl. Riachense-Eléctrico. 1-1 (golo de penálti de Marco Alemão)
Atl. Riachense-CADE (juniores), 2-0 (golos de Telmo e Daniel Pires)
CADE (juniores), Atl. Riachense, 1-1 (golo de Telmo)
Atl. Riachense-Monsanto, 0-4

João António e Zé Brites são os últimos reforços
O médio-ala João António e Zé Brites (ex- júnior do CADE) são os últimos reforços do Atlético.
João António, jovem jogador riachense que saiu há dois anos para ir estudar para a capital regressa agora e com as qualidades que todos lhe reconhecem. É um médio-ala, capaz de fazer de extremo, rápido e com bom toque de bola, possuidor de um bom remate quando isso se proporciona.
Zé Brites é mais um dos ex-juniores do CADE que aceitou representar o Atlético. Tem também qualidades futebolísticas que cheguem para singrar na equipa.
O staff de apoio à equipa também foi reforçado com a entrada do massagista José Augusto que vai colaborar com Armando Pereira na resolução dos problemas que lhes surgirem.

 
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária