o riachense

Domingo,
21 de Outubro de 2018
Tamanho do Texto
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

António Mário Lopes dos Santos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Mostra-me a tua conta bancária, dir-te-ei o que fizeste

Luaty Beirão terminou a greve de fome que mantinha há mais de trinta dias. A sua prisão, por delito de liberdade de opinião contra o regime angolano, assim como outros 14 com ele detidos em Junho, lembrou-me as acusações que no Tribunal da Boa Hora se apresentavam contra os presos políticos portugueses, na sua maioria militantes comunistas, após a sua prisão e tortura nas mãos da PIDE/DGS. O concelho de Torres Novas teve uma longa tradição de casos similares. Pena que não tenha havido, até o momento, com excepção dalguns textos do historiador e antigo dirigente comunista Francisco Canais Rocha, publicados em O Almonda e na revista Nova Augusta, a concretização dum estudo das lutas da resistência concelhia contra o fascismo. Na sua obra «Para A História do Movimento Operário em Torres Novas (1862/1926)», ficou a promessa de que «o período seguinte, que abrange todo o Estado Novo, será objecto de um outro trabalho». Seria importante averiguar se, no espólio que obviamente existe, não existirão páginas desse projectado estudo.

O esquecimento, pela ocultação do passado, não é boa pedagogia para as gerações posteriores, nascidas já num regime onde as liberdades cívicas (intervenção, informação, opção) são tomadas como normais. Sabe-se muito pouco desse passado concelhio, entre o 28 de Maio e o 25 de Abril, embora, nas últimas décadas, na revista atrás citada, ou em estudos publicados pela Câmara Municipal, surjam informações avulsas sobre alguns dos episódios e das personagens desses tempos. Falta uma obra de síntese sobre esse período. E os testemunhos dessa época deveriam ser recolhidos entre os que, dessas gerações, ainda podem contá-la. Ao Departamento Camarário respectivo competiria criar os meios dessa investigação. Em nome da defesa da democracia, nos últimos anos tão amesquinhada pela ignorância e a resignação ao deus dinheiro.

O silêncio que envolve muitos trabalhadores mostra bem o medo que se instalou, ante a facilidade do despedimento, devido à precariedade dos empregos, do incumprimento dos contratos, do aumento progressivo do desemprego. O estudo recente da DECO (Associação para a Defesa dos Direitos do Consumidor), resultado dum inquérito a 1222 famílias, entre Outubro e Novembro de 2014, exemplifica bem que o número de pessoas que consideram insuficientes os seus rendimentos para responderem às despesas mensais passou de 23% em 2011 para 76% actualmente. Segundo a mesma fonte, metade das famílias inquiridas vive com menos de 1000 euros/mês. 18% não conseguem pagar mensalmente a prestação da casa e as contas da água, gás, electricidade; 62 % aguardam os subsídios de férias e Natal para pagamentos em atraso. Há um decréscimo do rendimento e, consequentemente, um avolumar de incerteza num ambiente cada vez mais sufocante.

A liberdade não é eterna e não há direitos adquiridos. As utopias emergentes com a implantação da democracia transformaram-se, nestes décadas, após a entrada no Euro, de corrupção generalizada e partidariamente assumida, em estátuas de sal que qualquer chuva dissolve e extingue. As ideologias renderam-se ante a militarização global do mercado. O Grande Irmão (o Chefe Supremo) abraçou a única religião garante do poder: a informática. Somos planetariamente cidadãos vigiados, fiscalizados, vendidos, ameaçados, chantageados, reprimidos, fichados. Perdemos o direito ao sonho dos amanhãs que cantam, descremos cada vez mais dum mundo melhor, mais humano e menos desigual para os nossos descendentes, tememos o fim da reforma antes da extinção, o desemprego na idade viril, o empobrecimento em qualquer fase da existência.

O combate de Luaty Beirão pela dignidade da vida humana compete-nos a todos. Não permitir que a memória seja escondida no quarto mais escuro do planeta é defender a causas sociais do futuro. O poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente.

Observe-se o percurso dos políticos do dito arco do governo. Leia-se um livro frontal sobre a hipocrisia e a corrupção, com nomes e negociatas postas a nu, dessa rede de gente pública que associou, ao poder, a capacidade, perdoada pela justiça portuguesa, do roubo: - Os Predadores, de Vítor Matos, à venda em qualquer livraria.

Sem ser leitor nem adepto da política de informação do Correio da Manhã, a tentativa actual de impedir a capacidade pública do direito de informar com o argumento jurídico do segredo de justiça, agora posta de forma inversa pelos advogados de José Sócrates, demonstra-me de forma clara que a greve de fome de Luaty Beirão é também a nossa. Enquanto é tempo.

29 de Outubro de 2015
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

António Mário escreve sempre às quintas-feiras em www.oriachense.pt

Os outros artigos de António Mário Santos 

Actualizado em ( Quinta, 29 Outubro 2015 12:02 )  
{highslide type="img" height="200" width="300" event="click" class="" captionText="" positions="top, left" display="show" src="http://www.oriachense.pt/images/capa/capa801.jpg"}Click here {/highslide}

Opinião

 

António Mário Lopes dos Santos

Agarrem-me, senão concorro!

 

João Triguinho Lopes

Uma história de Natal

 

Raquel Carrilho

Trumpalhada Total

 

António Mário Lopes dos Santos

Orçamentos, coisas para político ver?
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária